Arte e Cultura

Do descartável à arte: conheça os trabalhos do artista plástico And Fatiola

A crescente preocupação com as causas ambientais tem mudado os padrões de consumo. Assim como aconteceu com a moda, a arte consciente é a bola da vez. Apaixonado por arte e paisagismo, o artista plástico de Itapoá-SC Anderson Fatiola Flávio – que assina suas criações com a alcunha de And Fatiola –, fala sobre seus trabalhos que unem criatividade e consciência ecológica, e que ganham cada vez mais admiradores.

Mesmo exercendo a profissão de hairstylist há mais de quinze anos, And deu espaço a uma paixão que lhe acompanha desde a infância: a arte. Natural de Cambé-PR, ele foi criado no município de Bom Sucesso-PR e viveu por aproximadamente vintes anos em Ribeirão Preto-SP – onde conheceu Leila Ubbi Baldochi, uma de suas clientes do salão de beleza, arquiteta-urbanista, historiadora de arte e uma autoridade no meio artístico. “Ela me incentivou a participar de alguns cursos nas áreas das artes plásticas que ministrava. Isso foi determinante para desenvolver minha arte de forma profissional”, afirma.

Com poucos estudos na área, And desenvolveu suas primeiras peças como autodidata. Ele conta que, inicialmente, criava as peças para si mesmo, como uma forma de terapia e autoconhecimento. “Nunca pensei que elas viessem a ter valor comercial, mas, aos poucos, notei que ganhavam o interesse das minhas clientes do salão e, assim, de forma natural, aconteceram as primeiras vendas”, conta o artista, que chegou a expor seus trabalhos na conhecida Casa de Portinari.

Em 2013, And, que já visitava Itapoá há muitos anos, se mudou para o município à procura de qualidade de vida e novos ares. De imediato, a natureza incomum do lugar serviu de inspiração para novos estudos e experimentações artísticas. “Sempre tive interesse por plantas e jardinagem e, em Itapoá, me senti inspirado e encontrei a oportunidade perfeita para unir estas duas paixões: a arte e o paisagismo”, conta.

No mercado nacional de plantas, o artista sentiu a necessidade de vasos decorativos mais autênticos e criativos, que fugissem à linha tradicional e, assim, surgiram seus primeiros trabalhos profissionais. Fazendo uso de materiais recicláveis, tintas, tecidos, papel machê, galhos e argila, And desenvolveu charmosas esculturas em formato de cachepôs, utilizados para colocar plantas. Os trabalhos foram postados na plataforma de criativos Elo7 e ganharam o gosto de muitas pessoas, inclusive, do Canadá e Austrália. Para ele, o sucesso de suas criações se deve ao fato de que as pessoas estão cada vez mais informadas e preocupadas com o futuro do planeta e, consequentemente, dão preferências aos produtos de cunho sustentável.

Toda esta preocupação com a natureza se tornou a principal característica do trabalho artístico de And, que se formou como paisagista, em Joinville-SC.

Inspiração vem da natureza

 Dentre uma série de artistas que admira, o trabalho dos artistas James Ensor e Mark Ryden serve como referência. “Gosto desta estética maluca, caracterizada por desproporções, cores vibrantes, olhares mais profundos e personagens no estilo caricaturesco”, diz. No entanto, sua principal fonte de inspiração é a natureza. “Apesar de não trabalhar na área do paisagismo, muitas das técnicas paisagistas são aplicadas em minha arte, uma vez que estas peças têm o intuito de ressaltar a beleza das plantas e são ideais para decorar jardins e áreas naturais”, explica.

Para And, a arte é ilimitada, bem como os materiais utilizados por ele. Além dos cachepôs para plantas, o artista também cria latas decorativas para plantas, telas em acrílico e personaliza elementos da natureza, como pedras. No Carnaval de 2017, ele foi um dos artistas voluntários convidados pela Prefeitura Municipal de Itapoá para produzir telas com o tema “Carnaval Cultural”, evidenciando elementos da cultura local, que ficaram expostas na avenida principal de Itapema do Norte durante o feriado. Para esta proposta, And explorou a lenda das sereias e elementos da natureza, como as águas e os pássaros.

“Contemplar o meio ambiente com respeito é o primeiro passo para garantir recursos para a sobrevivência das próximas gerações, e a arte nos convida a participar desse processo de conscientização”, conclui o artista plástico And Fatiola, que continua trabalhando como hairsylist esporadicamente em Ribeirão Preto e vive em Itapoá, onde encontrou, na natureza exuberante, o lugar perfeito para se inspirar e criar.

 

Para acompanhar as criações do artista And Fatiola, de Itapoá, acesse o seu site http://www.andfatiola.com ou sua página no Facebook http://www.facebook.com/andfatiola.

 

 

 

Categorias:Arte e Cultura