Estilo de Vida

Recém-casados e o sonho da casa própria

Quem nunca sonhou com a casa própria, principalmente na hora de unir as escovas de dente? Pois bem, estar com quem se ama e ter um lar não é uma tarefa muito simples, ainda mais quando o objetivo é construir a casa do seu jeito, com suas preferências em relação à localidade, tamanho e acabamento. Não é simples, mas muito possível: tudo começa com um bom planejamento.
Para brindar a edição sobre Casa e Construção, retomamos o tema e histórias da oitava edição, onde os recém-casados e o sonho da casa própria foram os protagonistas.

O resultado

r4Luana Gnata Viana e Raphael Mira.

Em julho de 2013 conhecemos um pouco das expectativas de Raphael Mira e Luana Gnata Viana, que estavam iniciando as obras da tão esperada casa própria em Itapoá. Juntos há cerca de dez anos, o casal iniciou a vida a dois em um imóvel alugado, mas com muito planejamento concretizaram o sonho e hoje vivem na casa que tanto arquitetaram.
A conquista veio através do financiamento da Caixa e, conforme Luana, a burocracia demorou cerca de três meses. Depois da definição do projeto e liberação dos recursos, foram mais dez meses de construção até o grande dia da mudança. Tudo foi muito bem planejado: desde as preferências de cada um, o número de cômodos, o tamanho e detalhes. Tudo da forma como imaginaram. Mesmo antes de comprarem o terreno, já pensavam, desenhavam e procuravam referências em revistas e internet. Também, quando perceberam que não conseguiam colocar no papel todos os desejos, procuraram um arquiteto e em um ano a casa dos sonhos estava toda planejada.
Planejamento, esta foi a palavra chave do casal. Luana explica que é preciso pensar em tudo: aliar o gosto, o orçamento e a funcionalidade do imóvel para o futuro. “Não se pode fazer nada correndo, é preciso planejar tudo”, afirma a esteticista. Segundo ela, é muito importante já pensar na disposição dos móveis, na ventilação e iluminação da casa. “Um ponto importante da nossa obra foi o projeto de iluminação, que muitos não dão muita importância, mas faz uma grande diferença estética e até econômica”, afirma. Outro ponto importante que necessita de atenção é o aterro. Quando realizada da forma correta, esta atividade que antecede a construção pode prevenir grandes problemas futuros.
Além do planejamento e pesquisa de preço, o casal afirma que também é preciso ter uma boa estrutura de relacionamento quando se está construindo. Afinal, uma obra envolve muitas coisas: diferentes gostos, preferências e dinheiro. Nesta hora a prioridade deve ser a mesma para garantir que ao final da obra a vontade de unir as escovas seja ainda maior.

Um sonho de cada vez

r3Patrícia Braz Guerra e João Guerra

O início da vida a dois em um imóvel alugado também foi a opção de Patrícia Braz Guerra e João Guerra. Na hora de trocar as alianças deram preferência à festa de casamento e planejaram com calma a construção em Itapoá. Planejamento também foi a palavra chave nesta história: tudo foi feito com calma e muita dedicação para contemplar todos os sonhos.
Depois do namoro e a certeza que gostariam de compartilhar todos os momentos da vida juntos, a primeira coisa foi a compra do terreno. Esta primeira fase já foi de muita pesquisa: a partir da preferência de localização, o casal visitou diferentes terrenos por um bom tempo. O escolhido precisou de sete meses de negociação, mas os agrada em todos os pontos. No início da primavera de 2013 já tinham a “terra própria”.
No verão, mais precisamente em dezembro, iniciaram toda a burocracia para o financiamento, até que chegou o casamento. O momento tão esperado do sim, o vestido de casamento, a decoração e a troca de alianças ocorreu em abril. Com isso, a construção ficou um pouco parada. “A ideia inicial era que eu cuidaria do casamento e o João da construção, mas no final era muita coisa e tivemos que elencar prioridades”, lembra Patrícia. Até porque, todo o casamento foi organizado pelos próprios noivos, famílias e amigos. “Passamos meses trabalhando e conseguimos fazer muita coisa da festa”, afirma. Além da economia, não teria melhor forma de deixar tudo da forma que tanto sonhavam.
Junto ao casamento, o casal foi atrás de um imóvel para locação e, quando todas as festividades da união encerraram, voltaram com todo o gás para o planejamento da obra. Com o financiamento aprovado, a obra iniciou em julho desse ano.
Como Luana e Raphael, o casal também afirma que é preciso uma boa estrutura na relação. “É preciso ter muita paciência e principalmente planejamento para conciliar o casamento e a construção”, afirmam. Para João, a principal coisa é estabelecer metas: “Mudamos a nossa rotina e tivemos que abrir mão de algumas coisas como, por exemplo, sair aos finais de semana, porque a prioridade agora é outra”.
Em relação à construção, a primeira dica é escolher um construtor de confiança. Como o pai de Patrícia trabalha no ramo há anos não foi difícil fazer a boa escolha, mas ela sugere: “Pesquise e escolha alguém que você realmente confie, pois o seu sonho fica na mão dessa pessoa”. Além do cuidado na execução do projeto e dicas pela vivência na área, o construtor também pode colaborar para a economia de tempo e material.
Fora isso, o segredo é um bom planejamento. O casal conta que todos os fatores foram levados em conta na hora do projeto: o número de filhos que pretendem ter, o número de visitas que recebem, o que gostam de fazer diariamente e a disposição dos móveis. Com tanta programação, não há como não ser o lar ideal. Mudanças à vista!

Augusta Gern

Matéria publicada na Revista Giropop – Edição 22 – Outubro