Educação

Ighor Zakaluk: A paixão e a importância de lecionar biologia

No dia 3 de setembro é comemorado o Dia do Biólogo. A área de atuação deste profissional é bem ampla, podendo atuar dentro de empresas com laudos ambientais, pesquisas para indústrias, análises, parques ecológicos, preservação de animais, projetos ambientais, na educação, como professor, entre outras ramificações. Contemplando os profissionais desta área, entrevistamos Ighor Zakaluk, professor de biologia na Escola Estadual Nereu Ramos, em Itapoá. Para ele, o importante é ter consciência que, assim como toda profissão, é necessário muita dedicação.

Ana Beatriz

igor2

Ighor nasceu em Campo Mourão, no Paraná, mas cresceu em Palmital, região centro-oeste do estado. Desde criança, ele conta que sempre teve interesse na área de ciências, se empolgava com reações químicas, físicas e em conhecer os seres vivos. “Alguns colegas de séries mais avançadas sempre tentavam inventar alguma coisa, e minha curiosidade aumentava. Além, é claro, da feira de ciências que a escola promovia, ficava muito empolgado”, recorda. Isso o motivou a cursar a faculdade de Ciências Biológicas, em Ivaiporã-PR. Em 1999, ainda frequentando o último ano de faculdade, Ighor se mudou para Itapoá e viajava até Ivaiporã para completar os estudos.
Já no município litorâneo, o professor começou lecionando na Escola Municipal João Monteiro Cabral, onde trabalhou em 1999 e 2000. Também em 1999, trabalhou no supletivo, na época na Escola Municipal Frei Valentim. Ele começou na Escola Estadual Nereu Ramos em 2000 e, dois anos depois, se tornou efetivo. Atualmente, leciona apenas ao Ensino Médio, mas já trabalhou com turmas de ciências. Junto com alguns professores, neste ano iniciou um cursinho pré-vestibular e para o ENEM, o “Super Ação”.

igor
Ighor costuma dizer a seus alunos que a biologia significa o estudo da vida, ou seja, que ela explica muito do dia a dia e da vida de cada pessoa.
“É através deste estudo que entendemos o motivo e a importância de alimentos específicos, o que é alimentação saudável, como certos medicamentos agem em nosso corpo, entre outros. Também conhecemos a vida que nos cerca, nas diferentes formas, tanto animais e vegetais, quanto outros grupos como os fungos, bactérias e vírus, os quais muitas vezes pensamos que só existem para causar problemas, mas, sem eles o planeta como conhecemos não seria possível”, explica. Ainda de acordo com o processor, é com este conhecimento que entendemos a necessidade de respeitar o ambiente e as formas de vida que interagem com a sociedade.
Para compreensão desses conhecimentos, Ighor utiliza métodos práticos, como projetos, maquetes, experimentos e pesquisas, a fim de deixar a aula de biologia mais dinâmica e interessante.
“É uma disciplina que contém vários ‘nomes complicados’, como dizem alguns alunos, portanto, ficar apenas na teoria, cansaria muito. Também em conversa com alguns ex-alunos, soube que alguns desses trabalhos foram úteis na faculdade, pois também foram cursar biologia, e outros concordaram que algumas das técnicas vistas em sala os ajudaram nas pesquisas da faculdade ou de cursos técnicos”, conta.
Os projetos e pesquisas desenvolvidos pelo professor Ighor também têm como base outras especializações que ele fez: Ecoturismo e Mídias na Educação.
Nesta era tecnológica, ele afirma que é preciso saber usar diferentes ferramentas, e que a biologia permite isso. “Como, por exemplo, imagens melhores de parte da célula ou do corpo que antes não eram possíveis; trabalhos e pesquisas com recursos tecnológicos, como produção de filmes, áudios, slides, etc.”, diz. Para o professor, a facilidade de acesso à informação também contribui.
“Quando o aluno encontra alguma reportagem e traz para discutir na aula, ajuda no melhor entendimento do conteúdo. Mas é preciso ficar alerta, pois muitas informações são incorretas, sendo preciso ensina-los a interpretar e reconhecer”, explica.
Hoje, aos 38 anos, casado, Ighor se define como um profissional que está para fazer a diferença, tanto na área da educação quanto na área da biologia. “Através da educação, a biologia pode ajudar as pessoas a serem melhores na vida e ver o ambiente que vivem como parte integrante da sociedade”, afirma. À medida que começou a lecionar, vendo o resultado dos trabalhos, o empenho de muitos alunos e suas conquistas no ENEM e no vestibular, ele conta que seu interesse pela profissão se reforçou.
“Hoje, cada vez que encontro um ex-aluno e ainda sou chamado de professor, é um incentivo a mais, pois sei que em algum momento pude fazer a diferença, em sua vida profissional, acadêmica ou também social”, conclui. Para o professor Ighor, isso tudo é o que deixa a paixão pela profissão continuar acesa.

Matéria publicada na Revista Giropop – Edição 44 – Setembro/2016

Categorias:Educação, Quem é?

Marcado como:, ,