Autoexame, um alerta às alterações da mama

A melhor maneira de combater o câncer de mama é através da prevenção. Ao prevenir, a doença é diagnosticada em sua fase precoce e apresenta maiores chances de cura.
Do Laboratório de Diagnóstico por Imagem (LAD), de Guaratuba-PR, a ginecologista Angela Moser aconselha toda mulher a buscar um profissional uma vez ao ano para fazer exame clínico e obter orientação preventiva sobre doenças ginecológicas: “a falta de informação leva a um atraso no diagnóstico, impossibilitando muitas vezes o tratamento adequado”.

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

Outubro-Rosa

Durante muito tempo, em campanhas de conscientização para o câncer de mama fora divulgada a informação de que o autoexame das mamas, baseado na palpação, era a melhor forma para detectá-lo precocemente. Contudo, o tempo passou, a medicina evoluiu e esta recomendação mudou. Segundo a ginecologista, hoje, para a prevenção deste tipo de câncer, além do autoexame, a mulher deve procurar seu ginecologista para o exame clínico, a mamografia (sempre complementada pela ecografia das mamas), e a orientação médica preventiva.
“O autoexame continua sendo importante, porém, de forma secundária”, conta Angela. Ela também explica que isso acontece porque quando o tumor atinge o tamanho suficiente para ser palpado, já não está mais no estágio inicial, e as chances de cura não são máximas. Ou seja, o autoexame não substitui a importância do exame clínico feito por um profissional ou da mamografia, pois só ela pode detectar precocemente um nódulo pequeno com grandes chances de cura. Mas, então, qual a finalidade do autoexame?
Ao contrário do que muitos pensam este hábito não tem como objetivo ensinar a mulher a detectar precocemente o câncer de mama, e sim, educar a conhecer seu corpo, em especial o aspecto e a textura normal de suas mamas, de modo a reconhecer alguma alteração que possa surgir. “Percebendo qualquer diferença, é importante buscar auxílio médico”, ensina a ginecologista. Vale lembrar que muitas dessas alterações percebidas não é câncer, porém, somente um profissional será capaz de identificar do que se trata.
Toda mulher a partir de, aproximadamente, 20 anos de idade deve ser estimulada e orientada a realizar regularmente o autoexame das mamas. “Apesar da incidência do câncer de mama ser maior entre mulheres a partir dos 35 anos de idade, não significa que não possa ocorrer em grupos etários mais jovens”, explica a ginecologista.
Segundo Angela, o procedimento do autoexame é recomendável todo mês, uma semana após o término da menstruação, quando as mamas estão menos sensíveis. Para as mulheres que não menstruam mais, o ideal é definir um dia específico do mês para fazê-lo como, por exemplo, todo dia 15.
Este hábito é muito simples e por ser rápido, indolor, sem efeitos secundários e sem custo, é também acessível. A ginecologista recomenda que o autoexame seja realizado durante o banho, com as mãos ensaboadas. “A palpação deve ser feita com os dedos da mão juntos e esticados em movimentos circulares desde a axila até o mamilo (bico da mama)”, explica. A mão direita examina a mama esquerda e a mão esquerda examina a mama direita, sempre em busca de alguma alteração.
Já as mulheres acima dos 40 anos de idade devem fazer seus exames de rotina, incluindo a mamografia. No entanto, no espaço de tempo entre as consultas ou exames de mamografia, o autoexame também deve ser realizado.
De acordo com Angela, o principal fator de risco deste câncer é ser mulher – uma vez que ele também se manifesta em homens, seguido da faixa etária, com o aumento da incidência a partir dos 35 anos de idade. Antecedente familiar de primeiro grau (como mãe, irmãs e filhas) também é outro fator de predisposição para o surgimento desses tumores.
Outros fatores, embora com menor peso, também são considerados fatores de risco, como: primeira menstruação precoce, menopausa tardia, gestação após os 30 anos de idade, uso prolongado de hormônios sexuais, obesidade, vida sedentária, uso frequente de bebidas alcoólicas e tabagismo, estresse, má alimentação, exposição excessiva à radiação, etc.
Ou seja, eliminar estes fatores é uma forma válida de praticar a prevenção. “Com práticas saudáveis é possível reduzir a probabilidade do câncer de mama, no entanto, mesmo mantendo esses hábitos as mulheres ainda estão sujeitas a desenvolverem a doença”, explica a ginecologista. Ela complementa que o câncer de mama, assim como os demais tipos de câncer, é resultado de mutação genética, que pode ser herdada ou então espontânea, como ocorre na grande maioria dos casos.
Portanto, o autoexame é somente uma das ferramentas para se detectar alterações mamárias. Ainda mais importante que ele, é visitar o ginecologista pelo menos uma vez ao ano, para que seja feito o exame clínico. A mamografia deve ser realizada, anualmente, após os 40 anos de idade, sempre complementada pela ecografia. Somente deverá ser realizada abaixo dos 40 anos em pacientes com antecedentes familiares.
“A realização regular dos exames deve estar entre as boas práticas para reduzir o risco de mortalidade por câncer de mama”, aconselha a ginecologista Angela.

E você, já realizou o autoexame neste mês e a mamografia neste ano?

Anúncios