André Vinicius, força e superação na batalha contra o câncer

Conhecido e querido por munícipes de toda a Itapoá, há oito anos o professor André Vinicius Araújo trava uma batalha contra um tumor no cérebro.
Hoje, sente-se confiante e seguro para falar sobre a doença que sempre esteve no anonimato e agradecer o carinho que tem recebido de todas as partes: “o apoio de amigos e familiares me encheu de amor, força e esperança”.

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

 

andrevinicius1
André Vinicius Araújo, professor em Itapoá, responsável pela locução de diversos eventos
significativos para o município.

 

 

De Nova Esperança-PR, André Vinicius é formado em Educação Física e há dezesseis anos reside em Itapoá. No município, ministrou aulas nas escolas municipais Frei Valentim, Alberto Speck e João Monteiro Cabral, atuou na Secretaria Municipal de Educação e nos último ano trabalhou como diretor na Secretaria Municipal de Planejamento e Urbanismo. Também, foi responsável pela locução de inúmeros eventos significativos para o município, como inaugurações de escolas, postos de saúde, asfalto, homenagens na Câmara Municipal de Vereadores, PROERD da Polícia Militar, eventos escolares e comunitários, entre outros. Há 12 anos, casou-se com Noemi Araújo, também professora da rede escolar municipal e, juntos, tiveram dois filhos: Yuri (8) e Marcos Vinicius (4).
Recordando o passado, André lembra que desde 2002 sentia fortes dores de cabeça. “Procurei um oculista, pois acreditava tratar-se de algum problema de visão, mas não. Fui protelando e até aprendi a conviver com aquela dor no dia a dia. Mas os anos passaram-se as dores foram aumentando gradativamente”, conta. Já em 2009, além de as crises tornarem-se mais frequentes e intensas, André passou a ter episódios de convulsão – preocupações que levaram-no a procurar um médico.
Após realizar ressonâncias, mapeamento cerebral e uma série de exames, em janeiro de 2010 – no dia do nascimento de seu primeiro filho –, André, que não possuía histórico de câncer na família, recebeu o diagnóstico constatando um tumor de 1,4 centímetros, situado no terceiro ventrículo do cérebro.

andrevinicius2
André apresentando a inauguração do novo prédio da Prefeitura Municipal de Itapoá

Primeiros anos
Como o local onde o tumor encontrava-se era de difícil acesso, os médicos não podiam sequer realizar biópsias para descobrir seu grau – a não ser que realizassem uma cirurgia. Em consulta com duas equipes médicas em Curitiba-PR, André foi aconselhado a passar por uma cirurgia de urgência. Insatisfeito, ainda buscou a opinião de um terceiro médico, em Joinville-SC, que apresentou-lhe duas opções: submeter-se à cirurgia ou acompanhar, ao longo do tempo, o desenvolvimento do tumor através de exames periódicos. Após muitas pesquisas, André tomou conhecimento de que esta cirurgia oferecia muitos riscos (de sequelas e até morte) e, portanto, optou por realizar o acompanhamento.

andrevinicius12
Ao lado de Cleniudo, seu amigo e compadre.

De 2010 em diante, viveu dias de dor de cabeça intermitente e náuseas, tendo sido internado diversas vezes, sempre recebendo o apoio de dois grandes amigos: Professor Eduardo e seu compadre Cleniudo, que sempre estiveram presentes e eram os únicos a saber o que realmente acontecia. “Onde quer que fosse, carregava cartelas de codeína, para mastigar sempre que a dor surgisse ou normalmente era atendido no pronto-atendimento para receber morfina”, recorda.
Naquele tempo, o professor fez um acordo consigo mesmo, de que quando passasse por algum episódio crítico, seria o momento de realizar a cirurgia. O marco aconteceu em março deste ano de 2018, quando André chegou a ter um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

andrevinicius3
Tomando lugar na Academia de Letras de Itapoá

 

A cirurgia
Sabendo que durante o tratamento o cabelo iria cair, André forjou uma aposta aos seus filhos, a fim de que perdesse propositalmente e tivesse de raspar os cabelos. “Sempre deixamos nossos filhos a par de tudo, em uma linguagem mais simples, para que pudessem entender. Mas a brincadeira da aposta foi essencial para que o momento de raspar a cabeça se tornasse mais uma diversão do que um choque para eles”, comenta.
Durante os preparativos para a cirurgia, André Vinicius recorda uma intuição que dizia que ele não voltaria para casa: “Eu havia pesquisado muito sobre essa cirurgia e na grande maioria dos casos os pacientes vinham a óbito. Portanto, organizei documentos, deixei arquivos com todos os meus dados e senhas, revisei o seguro de vida e orientei um irmão para que na minha falta a família pudesse se organizar sem mim”. Em contrapartida, a esposa Noemi dava-lhe forças e insistia que tudo daria certo.

andrevinicius4
Família reunida: André e a esposa Noemi, junto dos filhos Yuri (8) e Marcos Vinicius (4).

A cirurgia aconteceu em julho de 2018, totalizando aproximadamente doze horas de duração. Uma equipe de três neurocirurgiões e um neurofisiologista retirou boa parte do tumor que havia crescido para 2,8 centímetros – exatamente o dobro do tamanho de quando foi encontrado, em 2010.
Apenas um pedaço de cinco milímetros do tumor, situado dentro de um forame do cérebro, teve de ser mantido, já que, segundo os médicos, sua remoção total iria comprometer os movimentos das pernas.
Após o procedimento, André passou cinco dias internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), sentindo fortes dores e náuseas, tendo emagrecido quinze quilos em menos de uma semana, e mais três dias no quarto do hospital. No oitavo dia, antes de receber alta, as palavras de uma médica da UTI ficaram gravadas para sempre em sua memória: “Nem todas as pessoas que chegam aqui nesse estado, voltam para suas casas. Por isso, comemore esse dia como se fosse seu aniversário”.

 

andrevinicius9
André com seu irmão Arthur, que esteve o tempo todo ao seu lado

De volta para casa
Conforme André Vinicius, pisar em casa e estar junto da família novamente foi uma emoção inenarrável. Ele, que saiu do hospital praticamente sem andar e com a visão turva, superou as expectativas da equipe médica e teve boa recuperação. “Tivemos de adaptar a casa, tirando tapetes do caminho e colocando barras de apoio. Com muita persistência, alongamento e exercícios para fortalecimento de perna, dentro de dez dias já voltei a caminhar sozinho, com a ajuda de uma bengala”, fala André.

andrevinicius5
Com o irmão Ricardo, seus filhos e sobrinhos

O procedimento cirúrgico desencadeou alguns problemas de saúde, como diabetes, labirintite, náusea e problemas na tireoide. Dias depois, André ficou internado durante três dias, por motivos de fraqueza, tontura e náusea. Em setembro de 2018, submeteu-se à uma segunda cirurgia e quinze dias de internação, por conta de uma infecção causada por uma superbactéria e rejeição, momento este que foram removidas placas, parafusos e a tampa óssea que havia sido recolocada. Em compensação, desde a cirurgia de retirada do tumor as dores de cabeça cessaram de vez.

andrevinicius7
registro no hospital com seu pai Alvacir.

Graças ao local onde o tumor está situado, a equipe médica descartou a possibilidade de quimioterapia. Neste mês de novembro, André Vinicius está prestes a realizar sua primeira sessão de radioterapia, a fim de conter os cinco milímetros que ainda restam no cérebro e tentar inibir a volta do tumor.
O caso de André foi mencionado por um dos médicos devido à rápida recuperação em relação ao tamanho do tumor removido, um dos maiores já retirados desta região. Três meses após a cirurgia, André Vinicius leva uma vida quase normal, exceto pela tontura e enjoos que aparecem de vez em quando.

andrevinicius8
André com seu filho Marcos e com sua mãe Rosângela.

Durante os anos que antecederam a cirurgia, uma coincidência chamou a atenção de da equipe médica: foi um “achado” em seu filho menor, uma mancha no mesmo local do pai, encontrada através de exames, que vem sendo monitorada através de ressonância. O caso foi levado à estudos em uma conferência em São Paulo no ano passado.
“Agradecemos imensamente à equipe de enfermeiros e médicos, tanto de Itapoá quanto de Joinville, especialmente aos doutores Michael, Júlio, André e Marcos Vinicius, responsáveis pelo sucesso da cirurgia de retirada do tumor. Estes profissionais tiveram cautela ao nos transmitir segurança e confiança, sanando todas as nossas dúvidas em uma linguagem de fácil entendimento”, contam André e Noemi.

andrevinicius13
André Vinicius e Noemi, casados há doze anos.

Ainda, o casal agradece o apoio de seus familiares e dos muitos amigos, que contribuíram das mais diversas formas: com dicas, indicações de remédios naturais, cirurgias espirituais, igrejas, conselhos, deram apoio quando as forças quase acabaram, fizeram promessas, ligações, orações, visitas, enviaram mensagens e boas energias. Nas palavras de André: “Nós temos o hábito de pensar que estamos sozinhos, mas nessas horas difíceis descobrimos o quanto somos queridos. Amigos e irmãos chegaram a raspar a cabeça em meu apoio. Recebi muito carinho e amor de pessoas próximas e até de quem eu não conhecia. Isso, com certeza, fez com que atravessássemos os períodos difíceis com força, esperança e fé em Deus”.

andrevinicius10
Com os colegas de trabalho da Esc. Mun. João Monteiro Cabral.

andrevinicius11
Um registro com os amigos Lala, Mirlei e Neri (ao fundo), Anderson, João Roberto e Yasmin.

O que fica
Segundo a equipe médica, o caso de André apresenta sobrevida de, em média, dez anos. No entanto, o professor prefere não dar atenção a isso e viver um dia de cada vez. Em seus planos futuros estão as viagens para Aparecida do Norte-SP e para uma igreja em Portugal, com o objetivo de pagar promessas, além de voltar aos palcos para fazer a locução de eventos – atividade que sempre desempenhou com muito prazer.
Hoje, aos 40 anos de idade, André Vinicius dá ainda mais valor aos seus pais, irmãos e amigos que acompanharam cada dia de dor, sofrimento e alegria. “Minha esposa e meus filhos são tudo para mim. Passei a apreciar ainda mais os momentos em que estamos juntos”, diz.
O professor, muito querido por munícipes de toda a Itapoá, conta que não costumava tornar a público os detalhes de sua luta contra o câncer, mas, hoje, sente-se livre e seguro para falar sobre a doença com os demais. Emocionados, André e a esposa Noemi se olham e concluem: “nós vencemos”.

Anúncios