Itapoá em arte e pelas lentes de uma itapoaense

1

Um surfista a caminho do mar, o nascer do Sol, o vai-e-vem das ondas e a dança das nuvens no céu itapoaense são cenas que enchem os olhos (e o cartão de memória) de Chaiana Monique Müller (25).
Fotógrafa, surfista e caiçara de Itapoá (SC), Chaiana produz fotografias Fine Art, um trabalho autoral pautado nas suas experiências pessoais e inquietações. Seu desejo é provocar diferentes sensações aos espectadores e enaltecer a beleza de Itapoá.

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

3

Chaiana nasceu em Canoinhas (SC), mas mudou-se para Itapoá com a família quando tinha apenas dois anos de idade. Foi no município litorâneo ao Nordeste de Santa Catarina que cresceu, viveu bons momentos e, aos 15 anos, descobriu uma de suas grandes paixões: o surf.
“Na época, era uma menina bagunceira, e o surf me ajudou a ser mais atenta e consciente, a me alimentar melhor, dormir melhor e dar valor às pequenas coisas da vida”, conta. Foi na Terceira Pedra, em Itapoá, que aprendeu a surfar – e é lá que continua sendo seu pico favorito.
Em 2011, aos 17 anos, Chaiana, ao invés de cursar uma faculdade, optou por fazer um intercâmbio e, aos 18, embarcou para Austrália – uma das experiências mais transformadoras de sua vida. “Fui sozinha, na cara e na coragem. Vivi um intercâmbio de sete meses na Austrália, onde pude aprender uma nova cultura”, conta. De volta ao Brasil, morou em Curitiba (PR), onde realizou um curso técnico e formou-se em Turismo no ano de 2013. Com saudade da vida simples e da brisa do mar, retornou a Itapoá e chegou a morar durante certo tempo na Ilha do Mel (PR).
Já em 2017, sentiu que precisava aprender algo novo. “Costumo dizer que não escolhi a fotografia, a fotografia me escolheu. Acredito que todos nós temos um dom, uma missão. Quando encontrei a fotografia, encontrei minha essência”, conta. Era uma quarta-feira de cinzas quando Chaiana juntou suas economias e partiu para Florianópolis (SC) com o objetivo de cursar Fotografia. “Foi tudo muito rápido e intenso. Aluguei um quarto em Floripa e na segunda-feira já estava em sala de aula estudando”, recorda.

12
O curso
Quando se matriculou em Fotografia, Chaiana imaginou que seria um curso relativamente fácil, mas surpreendeu-se: “a fotografia é desafiadora, cheia de aprendizados, erros e acertos, e ao mesmo tempo apaixonante”.
No curso, estudou fotografia de moda, publicidade, fotojornalismo, entre outros. Realizou um estágio na Prefeitura Municipal de Florianópolis, na área de fotojornalismo, o que oportunizou a ela grandes aprendizados e conhecer profissionais renomados do ramo. “Dentre as pessoas especiais que conheci, está Cristiano Andujar, fotógrafo, formado em Jornalismo e um excelente profissional. Aprendi muito com ele e tive muita sorte em tê-lo como mentor”, acrescenta Chaiana, que durante os estudos também trabalhou ao lado de lendas do surf, como Jacqueline Silva e Teco Padaratz.
Enfim, em 2019 formou-se em Fotografia pela UNIVALI de Florianópolis. “Para mim, a fotografia é uma forma de emprestar meu olhar a outras pessoas, com o propósito de entregar aquilo que nem elas sabiam que existia. Acho que os artistas fazem isso, encontram respostas para perguntas que nem sabíamos que existia”, comenta.

8

De volta às raízes
Com facilidade para adaptar-se de uma cena para outra, Chaiana já fotografou casamentos, trabalhou com fotografia social, fotografia publicitária e fotojornalismo. “Estou sempre me adaptando ao ambiente em que estou, aos equipamentos que tenho em mãos e procuro sempre captar o melhor daquilo que sinto”, diz.
De volta a Itapoá, ela diz: “Itapoá sempre foi meu quintal de casa! Sou caiçara, adoro andar com os pés descalços até a praia, reencontrar amigos de infância, acordar cedinho para ver as ondas ou como está o tempo. Itapoá nos proporciona simplicidade e isso é muito bonito”.
Inspirada pela cidade onde cresceu, Chaiana passou a fotografar as belezas de Itapoá e o lifestyle de surfistas da cidade. “Meu desejo é compartilhar mais que fotografias turísticas, mas, também, provocar diferentes sensações no espectador. Tem tanta gente que ama Itapoá, então por que não devolver esse amor à altura?”, fala a fotógrafa, que gosta de capturar o balanço do mar e as paisagens ao redor.
Para ela, fotografar em Itapoá tem lá suas peculiaridades: a calmaria, simplicidade, quietude, as tonalidades, a beleza das ondas em um dia flat ou de swell, itapoaenses sorrindo, andando de bike cedinho pela praia – todas as pequenas coisas se tornam cenas. “Espero que as pessoas se sintam tocadas por este lugar e que, ao verem uma de minhas fotografias, sintam-se mais próximas da praia. Ou, ainda, desejo despertar o olhar de quem não conhece este pedacinho de paraíso”, diz.
A fotógrafa que é caiçara de Itapoá confessa que se entristece quando pessoas desvalorizam o potencial da cidade. “Itapoá é uma cidade nova, está engatinhando e deve ser olhada com mais carinho pelos políticos, turistas, veranistas e também moradores. São poucas as cidades do Brasil onde as belezas naturais ainda são preservadas e as crianças podem brincar na rua sem medo. É preciso dar valor a isso”, afirma.

10

A arte de fotografar
Nas palavras de Chaiana, “fotografia é técnica, mas também é repertório visual”. Viajar, surfar, ficar por dentro do mundo da moda e lifestyle, ouvir músicas, assistir vídeos e acompanhar o trabalho de outros fotógrafos são meios que a fotógrafa utiliza para ampliar seu repertório.
Na fotografia, ela tem como referências os fotógrafos Annie Leibovitz (foi fotógrafa da revista Rolling Stone e depois migrou para a fotografia de moda), Cristiano Andujar (fotógrafo esportivo), Ana Catarina (fotógrafa de surf), Roberta Borges (fotógrafa, primeira campeã brasileira de surf e uma das pioneiras do esporte no país) e Diórgenes Pandini (fotojornalista e amigo).
O trabalho de Chaiana Müller é resultado de vivências, referências, atenção e uma eterna busca. “O feedback que tenho dos espectadores é que meus registros trazem paz, e isso é muito legal, porque em Itapoá vivo uma rotina de paz”, comenta.

9

Fine art
Depois de muitos estudos e clicks, a artista adotou a fotografia Fine Art – uma prática da fotografia mais pautada nas experiências pessoais do autor, refletindo seus desejos, experiências e inquietações em um tom fantasioso e criativo.
Em busca de um trabalho mais autoral, Chaiana vem experimentando este universo da fotografia como fina arte e imprimindo suas fotografias na impressão Fine Art – um processo de impressão extremamente especializado dentro dos critérios que garantem preservação, fidelidade e permanência exigidos por museus, galerias e colecionadores.
O material utilizado nas impressões é o mesmo que artistas usam em pinturas. São papéis com texturas, que podem ser algodão ou alfa celulose, e as tintas são feitas de pigmentos naturais, o que permite um aspecto de pintura para a foto.
“Produzir a arte física, os quadros, tem sido apaixonante. Escolhi a dedo os papéis para impressão e as molduras das fotos, sempre mantendo a qualidade que a Fine Arte entrega. Optei por um papel específico não somente pelo efeito de pintura que dá à foto, mas também pela durabilidade, já que alguns deles chegam a durar até 200 anos, uma vez que não desbotam. E este é o interessante da fotografia Fine Art: ela entrega as melhores cores, as melhores luzes e os melhores contrastes – uma qualidade que seria impossível com impressoras simples e papel fotográfico comum”, explica a artista.
Recentemente, Chaiana Müller lançou a série “Nuvens Dançando no Céu de Itapoá” – três fotografias emolduradas que captam a beleza do céu de dezembro em Itapoá. “Escolhi este nome porque enquanto o mar estava mexido para os surfistas, o céu estava enfeitado de nuvens, e me chamou a atenção a quantidade de pássaros voando em bandos. É como se o tempo parasse quando finda a tarde só para vê-los passando…”, conta.
Os quadros em Fine Art da fotógrafa são feitos por encomenda e a moldura é a gosto do espectador. O trabalho de Chaiana Müller é para todos aqueles que amam Itapoá, desde o jovem surfista até a senhorinha que deseja ter um registro do mar na parede da sua sala de estar.

13

Faça o coração vibrar
Dia após dia, Chaiana acorda cedo para ver o mar, e fica em dúvida se leva a prancha de surf ou a câmera fotográfica: “acabo levando a câmera, já que a luz da manhã é minha favorita, e o surf tem ficado para mais tarde”.
A profissional também produz outros tipos de trabalho, como fotografia de produto, fotografia empresarial, ensaios individuais e de casais, aniversários, entre outros, mas está mergulhando e se apaixonando cada vez pelo universo da fotografia Fine Art. “Tenho a pretensão de entregar à cidade de Itapoá muito mais que quadros, mas uma experiência em cores e sensações, que sensibilize todos os apaixonados pela cidade”, fala.
Às pessoas que estão iniciando na fotografia e se inspiram em seu trabalho, Chaiana diz: “Pratique, pratique e pratique! Parafraseando o fotógrafo Sebastião Salgado, ‘você não fotografa com sua máquina; você fotografa com toda sua cultura’”. Por fim, a fotógrafa e artista conclui: “Desejo que todos encontrem aquilo que faz seu coração vibrar, assim como a fotografia é para mim. Que possamos fazer de Itapoá um lugar cada vez mais colorido, criativo, cercado de boas ideias e mais encontros como esse”.

7