Arquivo da categoria: Educação

Projeto social promove conhecimento e cultura através da leitura

Em um momento de dor e angústia, a professora Mariza Aparecida de Souza Schiochet, de Joinville (SC), buscou forças para levar esperança onde não há. Assim, nasceu o projeto social “Ler é Viajar Sem Sair do Lugar”, que espalha caixas de leitura em instituições sociais, comunidades carentes e hospitais de Joinville e região.

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

Mariza conta que seus pais sempre foram envolvidos com atividades religiosas e, também, que os livros sempre fizeram parte de sua vida. Foi, inclusive, o amor aos livros e às crianças que levou Mariza a formar-se em Letras e fazer pós-graduação em “Gestão Escolar” e “Inclusão e Teoria em Libras”. “Sempre acreditei que as crianças são bons motivos para exercitarmos o convívio humano, uma vez que elas não têm preconceito. E, caso tenham, temos o dever de direcioná-las ao caminho para o bom convívio em sociedade”, comenta a professora.
Certas vez, enquanto Mariza levava sua mãe, diagnosticada com câncer, para o tratamento de quimioterapia, no Hospital Municipal São José, observou a ociosidade de pacientes e acompanhantes nos momentos de espera das consultas. Ela, então, encontrou a solução ideal em uma de suas paixões: os livros. No setor de Oncologia do hospital, disponibizou algumas obras literárias, a fim de entreter e enriquecer os pacientes e acompanhantes. Também, seus alunos levaram muita esperança e carinho aos pacientes do hospital escrevendo a eles cartinhas amorosas. A iniciativa deu tão certo que a apaixonada por leitura resolveu espalhar mais caixas em outros lugares. E foi assim que, há aproximadamente sete anos, nasceu o projeto “Ler é Viajar Sem Sair do Lugar”, da professora Mariza.

projetolivro8
As crianças do Espaço Criativo e Literário Júlio Emílio Braz vestiram a camisa (literalmente).

Ler é Viajar Sem Sair do Lugar
Com o objetivo de promover conhecimento e cultura através da leitura, o projeto (sem fins lucrativos) recebe as chamadas “Caixas de Leitura” do Movimento de Pessoas Melhores (www.pessoasmelhores.com) e tem apoio do Tio Cid, pub de um ex-aluno de Mariza, que sempre que possível realiza a compra do material solicitado.
“Tenho muitos anjos que, direta ou indiretamente, contribuem com o projeto. Sou muito grata a eles”, diz a professora. As Caixas de Leitura são especialmente decoradas por Mariza, com a ajuda de alunos e de seu marido. Então, as mesmas são abastecidas com livros doados por amigos, escritores, livrarias e simpatizantes do projeto. Entre os exemplares, estão romances, contos, gibis e histórias prazerosas que possam ser lidas em curto tempo. Em seguida, as caixas são espalhadas em instituições sociais, comunidades carentes e hospitais de Joinville e região.
De acordo com Mariza, a ideia é distribuir livros onde não há, especialmente nos bairros mais carentes, criar ambientes convidativos para despertar o interesse de crianças e, ainda, realizar contação de histórias. “Buscamos envolver cada vez mais leitores no universo prazeroso e lúdico da leitura e, assim, construir uma sociedade mais justa e humana, além de contribuir na formação de valores e cidadania”, acrescenta a idealizadora do projeto “Ler é Viajar Sem Sair do Lugar”.

projetolivro2
O IGP – Instituto Geral de Perícia também ganhou cantinho especial dedicado à leitura.

Depoimentos
Conforme Giane Costa, recepcionista do CENEF – Centro de Estudos e Orientação da Família, o projeto permite que aqueles que estão na sala de espera desfrutem de uma boa leitura. Ela ainda conta que aqueles mais absortos na leitura levam o exemplar para casa, a fim de ‘devorar’ o livro. Para Maria Eduarda, recepcionista do LABCenter – Laboratório de Análises Clínicas, o projeto é um bom incentivo para que as pessoas substituam os celulares por livros. “Muitos de nossos pacientes, que ficam em curva de lactose por duas horas a fio, aproveitam este tempo para ler”, fala Maria Eduarda.
Já no IGP (Instituto Geral de Perícia), uma pessoa pôde conhecer o projeto enquanto seu filho brincava no cantinho organizado com brinquedos e livros: “Atitudes como essa nos dão esperança de que o mundo pode ser melhor. Em uma Era Digital, onde muitos princípios estão se perdendo, é através do nosso exemplo que podemos ensinar nossas crianças que a leitura é, sim, muito importante”.

projetolivro3
Registro do Espaço Criativo e Literário Júlio Emílio Braz.

Poder transformador
O projeto, que nasceu da vontade de compartilhar com outras pessoas o poder transformador da leitura, acabou transformando a vida da própria idealizadora. Dentre tantas pessoas e histórias que lhe marcaram, Mariza fala sobre o “Espaço da Leitura”: “Certo dia, a convite de uma amiga, fui fazer uma contação de histórias em uma comunidade carente. Após a contação, veio o convite de colocar uma Caixa de Leitura ali. Relutei, pois o local era muito distante, não tínhamos apoio e gastaríamos com gasolina. Mas o apelo das crianças falou mais alto. A proprietária da casa, Miriam Padilha, conhece a realidade de cada uma daquelas crianças, que começaram a ler, emprestar e interessar-se por livros. Então, em sua garagem, iniciaram-se encontros semanais, com atividades lúdicas e de leitura. Sempre entusiasmada, Miriam foi recebendo cada vez mais crianças. Contudo, no inverno, o frio e a chuva atrapalhavam esses encontros. Portanto, eu e meu marido resolvemos unir nossas finanças para fechar uma parte da garagem. E o resultado foi uma alegria! O Espaço ficou muito aconchegante e uma vez ao mês levamos um escritor, um artista ou quem quer que possa contribuir com uma palavra de esperança, amor e cultura para as crianças da comunidade”.

projetolivro6
Pintura do artista plástico Luiz Arão, livros e uma brinquedoteca na delegacia que pode, também, ser um espaço cultural àqueles que estão na sala de espera.

Além das páginas e da sala de aula, Mariza adora caminhar e pedalar na boa companhia de seu marido, seus filhos e de Debby, sua cachorrinha – daí a logomarca do projeto, criada pelo artista plástico Humberto Soares.
O projeto “Ler é Viajar Sem Sair do Lugar” nasceu de um momento de sofrimento, mas a mãe de Mariza, felizmente, foi curada e, hoje, aos 90 anos de idade, ajuda a filha a carimbar os livros que serão dispostos nas Caixas de Leitura.
Por sua vez, professora Mariza, transformadora e transformada, conclui: “Costumo falar que passei do cálvario até a ressureição, pois aprendi a colocar-me na dor do outro. Cada dia naquele setor de Oncologia com minha mãe foi sinônimo de aprendizagem e enriquecimento. Ali, aprendi a aceitar, conviver e buscar sempre motivos para levar um pouco de esperança ao próximo, seja através de uma cartinha (que seus alunos escrevem até hoje para os pacientes diagnosticados com câncer), uma leitura ou um sorriso”.

projetolivro7
Além da leitura, Mariza, a idealizadora do projeto, adora caminhar e pedalar na boa companhia de seu marido, seus filhos e de Debby, sua cachorrinha.

Fique atento aos pontos de distribuição de livros do projeto “Ler é Viajar Sem Sair do Lugar”:
• Joinville (SC): Setor de Oncologia do Hospital Municipal São José; HEMOSC – Hemocentro de Santa Catarina; Casa Padre Pio; Hospital Regional Hans Dieter Schmidt; CENEF – Centro de Estudos e Orientação da Família; Mercado Municipal – voluntária Stella Maris de Carvalho; Maternidade Darcy Vargas; LABCenter – Laboratório de Análises Clínicas; Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso; IGP – Instituto Geral de Perícia; Casa de Acolhimento São Lázaro; Igreja Católica, no bairro Itinga – voluntária Cláudia Cidral; CIRETRAN Joinville; Espaço Criativo e Literário Júlio Emílio Braz.
• São Francisco do Sul (SC): Posto de Saúde, na Praia da Enseada – voluntária Cláudia Cidral.
• Piçarras (SC): RECREA – Atividades de Lazer e Esportivas.

Amigos, parceiros e amantes da leitura, entrem em contato com Mariza através do e-mail izaschiochet@gmail.com ou telefone (47) 99651-7701. Com a compra de uma camiseta do projeto “Ler é Viajar Sem Sair do Lugar”, no valor de R$ 30,00, você apoia essa iniciativa. Saiba mais em facebook.com/livroparatodos

 

Anúncios

Escola Gees apresentou mais uma edição da Feciarte

Com os temas “De onde vem? e Como se faz?”, a Escola Gees apresentou no sábado (21) uma diversidade de exposições. Mais uma vez, a Feira de Ciências, Artes e Tecnologia foi um grande sucesso, marcada, principalmente, por muita criatividade e conhecimento. A feira envolveu toda a escola e todas as turmas abrilhantaram o dia com suas apresentações.
As turmas da educação infantil fizeram uma exposição de todos os trabalhos realizados durante o ano e, cada turma do ensino fundamental, apresentou um tema diferente, o qual foi tema de muita pesquisa e debate de forma interdisciplinar.

Saiba mais sobre o curso de Nutrição e as futuras nutricionistas

Diferente do que muitos imaginam, o curso de Nutrição vai além dos estudos de ingestão, absorção e transporte de nutrientes, e envolve também a análise dos hábitos humanos e sua relação com os alimentos.
Para saber mais sobre este curso, que é do tipo bacharelado e tem duração média de quatro anos, conversamos com Crislaine da Rosa, de 22 anos, de Itapoá-SC. Ela cursa o quarto e último ano de Nutrição no Centro Universitário Católica de Santa Catarina, em Joinville-SC, e nos fala sobre a rotina de uma estudante de Nutrição, possibilidades do mercado de trabalho, perfil do estudante, principais disciplinas e áreas de atuação, entre outras curiosidades.

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

São vários os motivos que levaram Crislaine a optar pelo curso de Nutrição: “Meus pais tiveram um restaurante durante vinte anos e, então, cresci observando meu pai administrar e minha mãe cozinhar com amor. Gostava muito de conviver naquele meio. Além disso, sempre fui muito agitada e ansiosa e, por diversas vezes, descontava este sentimento ingerindo alimentos calóricos, e desejava entender o porquê dessa atitude. Optei por esta área para melhorar não somente a minha vida, mas, também, a vida das pessoas, já que a nutrição tem esse poder”, conta.

crislaine1
Crislaine da Rosa, estudante de Nutrição, fala sobre as possibilidades do mercado de trabalho,
principais disciplinas e áreas de atuação, entre outras curiosidades do curso.

De acordo com o Conselho Federal de Nutricionistas, o bacharel em Nutrição pode atuar nas seguintes áreas: Alimentação Coletiva (com gestão do processo produtivo de refeições em empresas fornecedoras de serviços de alimentação); Indústria de Alimentos (desenvolvendo produtos relacionados à alimentação e à nutrição); Nutrição em Esportes (com atividades relacionadas à alimentação e nutrição em academias e clubes esportivos); Marketing e Publicidade Científica (com atividades relacionadas à alimentação e nutrição, bem como assessoria e consultorias alimentar e nutricional); Docência (atividades de ensino, extensão, pesquisa e coordenação relacionada à alimentação e à nutrição); Saúde Coletiva (realizando atividades de alimentação e nutrição relacionadas com políticas e programas institucionais de atenção básica) e, por fim, Nutrição Clínica (com atividades de alimentação e nutrição realizada em clínicas e hospitais, instituições de longa permanência para idosos, ambulatórios, bancos de leite humano, lactários, centrais de terapia nutricional, SPAS e com atendimento domiciliar) – estas duas últimas, as favoritas de Crislaine. “Pretendo atuar na área de saúde coletiva ou nutrição clínica, pois tenho um enorme desejo de ajudar as pessoas a obter saúde e bem-estar”, diz a estudante.

crislaine2
Durante uma palestra sobre alimentação saudável, em
uma Unidade Básica de Saúde (UBS), em Joinville.

Segundo Crislaine, boa parte do curso é teórico e, normalmente, os alunos estudam os conteúdos para, depois, aplicarem os conhecimentos na prática. Entre as principais disciplinas do curso de Nutrição, ela destaca a Fisiopatologia e a Dietoterapia, ambas voltadas para a área de nutrição clínica. “Na primeira, estudamos a fisiopatologia das doenças, como, por exemplo, diabete, hipertensão, obesidade e câncer. Já na disciplina de Dietoterapia, aprendemos como aplicar os conhecimentos na prática, como, por exemplo, qual conduta seguir, quais alimentos permitidos e proibidos para cada doença, cálculos específicos para cada paciente, etc.”, explica Crislaine.
Estudo, dedicação e tempo são fundamentais na rotina do estudante de Nutrição. “Já deixei de viajar ou curtir o final de semana para me dedicar aos estudos, pois sempre levamos alguma tarefa para casa. O ideal não é estudar para, simplesmente, passar de ano, mas, sim, para ser um bom profissional, pois, futuramente, cuidaremos da saúde das pessoas e devemos estar preparados para desempenhar tal papel com muita responsabilidade”, diz Crislaine. Para ela, os estudantes de Nutrição devem ter alguns pré-requisitos, como: gostar de estudar; estar atento às novidades, uma vez que esta área está em constante evolução; gostar de trabalhar em equipe e respeitar as opiniões dos demais, pois isso é muito frequente no mercado de trabalho e, também, gostar de fazer contas, já que, diferente do que muitos pensam, o curso de Nutrição envolve muita matemática.
Em seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), Crislaine abordou a relação entre a alteração do sono e a obesidade. Até o presente momento, ela também concluiu o estágio de saúde coletiva em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) de Joinville, e, a partir deste segundo semestre, irá realizar o estágio de nutrição clínica em um hospital, bem como o estágio de nutrição em alimentação coletiva em uma cozinha. Segundo a aluna, os estágios proporcionam desenvolvimento pessoal, conhecimentos práticos, contato com o público e outros profissionais, e são essenciais para o estudante identificar qual área deseja seguir. Além disso, ela participa constantemente de eventos voltados ao curso, já que todos os dias surgem novas dúvidas e novos estudos acerca dos alimentos.

Aos futuros estudantes de Nutrição, a veterana conta que o curso custa um pouco caro, pois envolve disciplinas práticas e estágios, e que, ao longo do mesmo, o estudante deverá investir em um jaleco, livros e muitas impressões.

“Ademais, é um curso apaixonante, que superou minhas expectativas, pois engloba diversos conhecimentos, muita prática, responsabilidade e sensibilidade”, fala Crislaine, que teve seus hábitos mudados desde que iniciou o curso. “Na faculdade, aprendi a criar gosto pelos estudos e, hoje, sou menos ansiosa, tenho mais responsabilidades, sou consciente de que tudo está intimamente ligado aos nossos hábitos alimentares e, dentro de minha casa, a alimentação mudou muito. Agora, sempre optamos por uma alimentação mais natural”, conta.
A todas as pessoas, que se interessam ou não pela área, Crislaine alerta sobre os perigos das “dietas da moda”, disponibilizadas na internet e popularizadas por artistas, blogueiras e, até mesmo, por pessoas próximas: “É preciso ter bom senso e o entendimento de que cada ser é único. Muitas vezes o tipo de alimentação que deu certo para uma pessoa pode não dar certo para outra. Devemos, sim, buscar mais qualidade de vida, mas qualquer mudança alimentar deve ser acompanhada por um bom profissional. Só assim seremos mais felizes e saudáveis”, conclui a estudante, que em 2018 se tornará, enfim, uma nutricionista.

Futuras nutricionistas

gabriela1
Gabriela Souza Speck

Em Itapoá, outras meninas pretendem seguir os passos de Crislaine e fazer a faculdade de Nutrição, como Gabriela Souza Speck, de 17 anos, estudante do 3º ano do Ensino Médio da Escola Estadual Nereu Ramos. “Pesquisei muito a respeito do curso e da profissão de nutricionista, e foi aí que me identifiquei, especialmente, pela área de nutrição clínica”, conta Gabriela que, além de Nutrição, também cogita cursar Odontologia.

Wesdra
Wesdra Cordeiro Gonçalves.

Já Wesdra Cordeiro Gonçalves, de 17 anos, também é estudante do 3º ano do Ensino Médio da Escola Estadual Nereu Ramos, e planeja cursar Nutrição, Biologia, Educação Física ou, então, Fotografia. “Sempre cuidei da minha saúde e alimentação, e este é um assunto que me interessa bastante. Caso eu siga pelo caminho da Nutrição, tenho a pretensão de atuar na área de nutrição esportiva”, conta Wesdra.

anahi1
Anahi Riego é formada em Educação Física e trabalha como personal trainer em academias. Para ampliar os seus serviços e aprimorar seus conhecimentos sobre a saúde, ela também deseja fazer o curso de Nutrição.

Para algumas pessoas, a Nutrição também pode servir como um curso complementar, como é o caso de Anahi Riego, de 23 anos, formada em licenciatura em Educação Física e aluna do último ano de bacharel em Educação Física. Ela, que trabalha como personal trainer, deseja cursar Nutrição para ampliar os seus serviços e aprimorar seus conhecimentos sobre a saúde.
“Nas academias onde trabalho, meus alunos costumam me pedir dicas de cardápios, dietas e alimentos saudáveis, no entanto, segundo a lei, apenas um profissional formado em Nutrição pode fazer esta avaliação e prescrição. Portanto, pretendo fazer este curso e continuar trabalhando com musculação, oferecendo, assim, um serviço mais completo”, fala a personal Anahi, que salienta que – seja por objetivos estéticos, competitivos ou para obter mais qualidade de vida – os resultados satisfatórios só aparecem quando o exercício físico for aliado a uma alimentação adequada.

Férias escolares de julho: Dos papéis às dobraduras

Concluindo a nossa série de entrevistas com a criançada, está Jhoe Cubas Pereira, de oito anos de idade, estudante do 2º ano D da Escola Municipal Ayrton Senna. Desde criança, ele tem sua criatividade estimulada dentro de casa, por seus pais Simone Cristine Cubas e André Luiz Pereira, e, hoje, é apaixonado por esportes e atividades manuais.

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

28062017-jhoe
Uma das principais diversões de Jhoe Cubas Pereira é criar diversos origamis (dobraduras de papel).

28062017-3
Jhoe gosta de desenhar, utilizando diferentes tipos de canetas, tintas e molduras, e criar esculturas com argila. Mais que fazer manobras de skate – esporte que aprendeu a dominar apenas observando os mais velhos, ele gosta de montar seu próprio skate, assim como o fez com a pipa e com o hand spinner (peça que, quando impulsionada, começa a girar constantemente na ponta dos dedos), brinquedos que Jhoe aprendeu a fazer para, depois, é claro, brincar. Ele conta que as suas ideias e inspirações vêm do ato de observar seus pais trabalhando ou sua irmã mais nova brincando, de assistir aos programas de televisão e acessar aos sites voltados ao “faça você mesmo”.
Recentemente, a mais nova paixão de Jhoe tem sido os origamis – a arte de dobraduras de papel, uma técnica japonesa que existe há mais de um século. “Eu estava assistindo ao filme ‘Kubo e as Cordas Mágicas’ e o personagem principal criava origamis que ganham vida a partir das fábulas que inventa. Gostei muito dos origamis do filme e, com a ajuda da minha família, pesquisei na internet como eles eram feitos e, assim, consegui criar meus próprios origamis”, conta Jhoe. Vale destacar que a técnica de origami contribui para o aumento da capacidade da concentração, desenvolvimento da coordenação motora, paciência, memória e imaginação das crianças que o praticam.

17022017-2-2
Além dos origamis, Jhoe também adora pintar.
Na foto, uma das telas para a decoração do
Carnaval de Itapoá de 2017, pintada por ele.

“Criar um brinquedo com as próprias mãos é muito mais legal do que comprar um brinquedo já pronto, pois, assim, a criança pode se divertir enquanto cria”, fala o pequeno Jhoe, que nos conta que, quando for maior, deseja continuar andando de skate, desenhando, sendo bom em fazer origamis e em soltar pipa.

Férias escolares de julho: Inventando moda

Olhar de estilista é assim: onde você vê um pedaço de pano, ela enxerga uma saia ou um vestido. Foi desse jeito que Serena Cubas Pereira, de sete anos de idade, começou a inventar roupinhas para suas bonecas. “Normalmente, elas vêm com apenas uma roupa, e eu queria ter outros modelos, cores e estampas como opções”, conta. Foi de um pequeno pedaço de tecido que ela criou o primeiro vestido para sua boneca. Olhar de estilista é assim: onde você vê um pedaço de pano, ela enxerga uma saia ou um vestido.

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

28062017-1
A pequena Serena Cubas Pereira utiliza tecidos e outros materiais para criar modelitos para as suas bonecas.

26062017-3

Foi desse jeito que Serena Cubas Pereira, de sete anos de idade, começou a inventar roupinhas para suas bonecas. “Normalmente, elas vêm com apenas uma roupa, e eu queria ter outros modelos, cores e estampas como opções”, conta. Foi de um pequeno pedaço de tecido que ela criou o primeiro vestido para sua boneca. Desde então, os pais de Serena, Simone Cristine Cubas e André Luiz Pereira, incentivaram-na nas criações. “Como o André é tatuador e gosta de desenhar e pintar, minha mãe faz tricô e crochê, e eu gosto muito de trabalhos manuais, ela cresceu sendo estimulada e tendo liberdade para criar e fazer novos experimentos”, conta Simone que, recentemente, costurou à mão uma roupa da personagem Lady Bug para Serena fazer uma apresentação para toda a família.

Abraçando a ideia da filha, Simone comprou uma caixa de tecidos para que ela experimentasse, testasse e criasse novos modelos – quem escolheu os tecidos foi, é claro, a pequena estilista. “Meus tecidos preferidos são os estampados de cores claras”, diz Serena, que estuda no 1º ano C da Escola Municipal Ayrton Senna. Sem fazer uso de agulha ou máquina de costura, ela utiliza apenas pedaços de tecidos e uma tesoura e, assim, trabalha com amarrações, laços, elásticos ou fitas adesivas para fixar a roupa na boneca.

26062017-2
 Serena e sua mãe, Simone Cristine Cubas, dando vida à criação.

Além dos tecidos, a pequena também já criou roupas para suas bonecas recortando bexigas, modelando massinhas, utilizando lenços umedecidos e reaproveitando suas próprias roupas: “recortei as mangas de uma blusa que não servia mais em mim e usei o tecido para fazer vestidos e saias para as bonecas”. Já os detalhes são feitos com tinta, esmalte, pedrinhas, prendedores de cabelo, entre outros materiais.

As inspirações para os modelos das bonecas de Serena vêm de sua cabeça, da internet, de programas de televisão, do guarda-roupa e da loja de sua mãe. E suas peças são variadas e modernas: ela faz vestidos, saias, capas, bolsas, lenços e, até mesmo, tops no estilo cropped para o estilo de suas modelos de brinquedo. “O mais legal é que comprar o tecido não é tão caro quanto comprar uma roupinha já pronta, e que as peças não enjoam nunca, porque uma saia pode virar um vestido, se você quiser”, explica Serena, que também ensinou suas amigas a fazerem o mesmo.

Além das peças de moda, a pequena nos conta que também gosta de fazer outras coisas, como: “desenhar, fazer Yoga, assistir desenhos e brincar com meu irmão, que me ensina muitas coisas legais”. Como mérito de suas criações para as bonecas, Serena ganhará de seus pais, em breve, a sua primeira máquina de costura. “Acho que vou gostar, porque não consigo fazer calças para as bonecas só amarrando os tecidos e, com a máquina, vou conseguir”, diz Serena, que está cogitando a ideia de se tornar uma estilista quando crescer: “mas não tenho certeza, porque ainda vou demorar para crescer”.

Férias escolares de julho: Toda criança tem uma história especial

Uma boa sugestão para inspirar a criançada nas férias escolares é criar uma história e (por que não?) escrever um livro – como fez Pedro Lucas Melin Dunzer, de dez anos de idade.

Ele conta que adora ler, criar histórias de aventuras, acampar na praia, pescar, participar do Coral Sementes do Amanhã, fazer
piqueniques, experiências científicas e observar com o microscópio as micropartículas e misturas que ele mesmo faz, mas, o que mais gosta são os animais, como cães, peixes, moluscos do mar, pássaros, coelhos, insetos que adora observar e os seus preferidos: os gatos.

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

14062017-1 5
Pedro Lucas Melin Dunzer e a capa do livro
“O Gato Astronauta”,
de Pedro e Mari.

A mãe de Pedro, Maria Inês Vargem Yalçinkaya, mais conhecida como Mari, conta que, de todos os bichinhos de estimação que o filho já teve, um deles lhe chamou atenção: “Certo dia, um gato foi abandonado dentro do nosso quintal e decidimos ficar com ele. Pedro deu a ele o nome de ‘Kuçuçuko’ e os dois se tornaram inseparáveis. Onde Pedro estava, o gato estava, também”. Mas, infelizmente, chegou o dia em que Kuçuçuko desapareceu e, mais tarde, foi encontrado morto. Mari recorda que Pedro sofreu por muito tempo com a ausência do bichano. “Eu gostava muito dele e tinha projetos de viajarmos eu, minha mãe e ele para a Lua em um foguete imaginário e, lá, fazermos um piquenique”, conta Pedro, que estuda no 5º ano da Escola Municipal Ayrton Senna.
A história criada pelo menino, de fazer um piquenique na Lua com o gato Kuçuçuko, foi criada quando Pedro tinha oito anos de idade, e despertou o interesse de sua mãe, que sempre desejou escrever um livro infantil. “Sugeri a ele que transformássemos aquela aventura em um livro e ele adorou a ideia e, então, começamos a escrever e desenhar juntos”, fala Mari.
Assim, nasceu o livro o “O Gato Astronauta”, dedicado às crianças (e adultos, também) que perderam seus bichos de estimação e desejam superar essa dor, com textos e ilustrações de Pedro e Mari.

03072017-1 3
O menino e o gato Kuçuçuko, amizade que deu origem ao livro.

Para materializar essa história, a mãe de Pedro imprimiu cem exemplares do livro, para vender aos familiares e amigos mais próximos. De acordo com Mari, as impressões não são muito baratas e o processo de registro na biblioteca nacional leva tempo, mas vale a pena. A história de Pedro foi lida, inclusive, nas salas de aula da sua escola, inspirando e mostrando a todos os seus colegas que é possível transformar um episódio triste em uma leitura prazerosa, e que escrever um livro não é algo tão distante como parece. Outro fato que também deixou mãe e filho muito felizes é que o livro já foi encomendado, inclusive, por pessoas que moram fora do Brasil, como Suíça, Portugal, Holanda e Turquia.

03072017-1 1
Além de criar histórias, Pedro também gosta muito de pescar.

Além de “O Gato Astronauta”, Pedro e Mari também criaram outras histórias de aventura que virarão livros: “Não Era uma Vez”, que conta a história de um menino e seu peixe de estimação, e “O Coelho Mágico”, que fala sobre um coelho mágico e a família que o amou – sempre trazendo mensagens de amor, amizade, respeito aos animais e perseverança. “Gosto muito de curtir o Pedro e ouvir suas ideias, histórias, teorias e sonhos. E, se pararmos para escutar, toda criança já criou, pelo menos, uma história especial para contar. O que falta é nós, adultos, darmos atenção e valor a isso”, fala Mari.
Entre tantas coisas que Pedro pensa em ser quando crescer, uma delas é cientista químico ou “cientista de misturas”, como ele mesmo diz. Hoje, o menino compreende melhor a ausência de seu companheiro, o gato Kuçuçuko, pois, como está escrito na nota dos autores de “O Gato Astronauta”: “a vida nos traz e nos leva o que é preciso aprender e, mesmo na dor, devemos ser gratos pelos momentos de grande valor que passamos juntos”.

Férias escolares de julho: É praticando que se aprende

Para que sejam proveitosas, as férias escolares de julho da criançada não precisam envolver, necessariamente, uma grande viagem, uma extensa programação e muitos gastos. Pelo contrário: é nas atividades simples que pode estar o maior barato. Afinal de contas, tempo de férias é tempo de criar, produzir, inventar, explorar, imaginar e, é claro, brincar muito.
E, para convidar outras crianças a deixarem sua imaginação fluir, conversamos com quatro especialistas no assunto: as próprias crianças! Com muita criatividade e força de vontade, nosso time de pequenos de Itapoá-SC prova que toda criança tem algum talento e que boas ideias merecem ser compartilhadas.

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

13062017-4
De Itapoá, Allef Vinicius de Melo pinta belas paisagens em lajotas.

Filho de Elaine de Mello e Marcos de Mello, Allef Vinicius de MeLlo, de 14 anos de idade, é um menino com capacidade autodidata e multitarefas. “Todas as coisas que ele deseja aprender, ele para, observa e aprende”, conta sua mãe, “acredito que ele tenha um dom para isso, mas muito vai da sua força de vontade, pois ele tenta inúmeras vezes até conseguir”. Foi observando e praticando que Allef aprendeu a surfar, andar de skate, de slackline, cantar, jogar futebol, tocar violão e guitarra, fazer malabarismos e realizar belíssimas pinturas em lajotas – e é sobre esta última atividade, em especial, que iremos falar.
Sempre interessado em trabalhos manuais, há três anos, Allef teve a ideia de começar a realizar pinturas com tinta guache em lajotas. Ele conta que pintava mais por diversão, sem técnica alguma. Até que, no último verão de 2016/17, conheceu um artista que ficava pelas ruas de Itapoá realizando pinturas e lajotas e as vendendo para moradores e turistas. Como Allef ajuda muito sua família – especialmente no Trenzinho da Alegria de seus pais, onde o menino se fantasia de Pato Donald –, pediu aos pais que pagassem um pequeno curso para o artista, para que este lhe ensinasse algumas técnicas de pintura em lajotas. E, assim, o artista ensinou ao menino qual o tipo de lajota e o tipo de tinta que devem ser utilizadas, como ele poderia realizar os acabamentos, entre outras técnicas.
Desde então, Allef vem pesquisando outras dicas na internet e realizando belíssimas pinturas de paisagens em lajotas, que levam apenas de dois a cinco minutinhos para ficarem prontas. “Os materiais utilizados são: uma lajota lisa, tinta a óleo, querosene, solvente, um pano, um pouco de água e palitinhos. O desenho é feito na lajota utilizando a mão e os dedos, já os acabamentos podem ser feitos com as unhas, o pano e os palitos. São materiais que custam pouco, mas, quando tenho apenas uma lajota, eu pinto, apago tudo e pinto novamente na mesma lajota, para treinar”, explica Allef, que estuda no 9º ano da Escola Municipal Monteiro Lobato. Mais que tranquilidade e coordenação motora, esta atividade artística também permite ao praticante as noções de tons de cores, luz e sombra, perspectiva e reflexo.

13062017-2
De Itapoá, Allef Vinicius de Melo pinta belas paisagens em lajotas.
13062017-1
Entre outros esportes que pratica, o jovem se destaca no slackline, tendo ganhado dois campeonatos no esporte.

Hoje, Allef coleciona algumas medalhas do Festival da Canção de Itapoá e de campeonatos de slackline e de skate, canta e toca guitarra na CEU (Comunidade Evangélica Unida), estuda e ainda arruma tempo para praticar suas pinturas, que já serviram de presente para toda a família. Acompanhando o ritmo de Allef está seu irmão mais novo, Allex Vinicius de Mello, de seis anos de idade. Mas exige muita força de vontade: “Gosto de estar sempre pesquisando e observando as pessoas para aprender novas coisas.
No começo, pode parecer difícil, mas se você tentar outras vezes, vai conseguir e vai fazer cada vez melhor”, diz Allef, que gosta muito da frase bíblica “tudo posso naquele que me fortalece” e que, entre tantas realizações e aprendizados, sonha em, um dia, ser professor de Educação Física ou policial.