Casamento: um sonho a dois

Já dizia Raul Seixas: “sonho que se sonha só é só um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto é realidade”. E, entre tantas traduções e significados, o casamento é, também, um sonho a dois.
Fazer um casamento não é uma decisão fácil. Depois do primeiro “sim”, vem toda uma sequência de preparativos que requerem organização e planejamento. Nessas horas, passam na cabeça várias decisões, orçamento e escolhas que precisam ser tomadas. “Frio na barriga, noites sem dormir, preocupações, emoções e amor para todos os lados”. Assim que Augusta Fehrmann Gern e Lucas Henk definem seu casamento, um dia que, juntos, sonharam e realizaram.

O casamento foi mais um dos sonhos
realizados pelo casal Augusta e Lucas.

Primeiros capítulos
Todo casal tem um começo: os primeiros olhares, as primeiras palavras e o primeiro beijo. E a história segue como roteiro de um filme, que tentamos escrever em capítulos a seguir.
Augusta e Lucas trocaram suas primeiras palavras no Orkut, em 2006, graças a uma amiga em comum – amiga, essa, que intermediou o primeiro encontro dos dois. “O tempo passou e nos tornamos grandes amigos, daqueles de trocar confidências”, lembram. Até que, certo dia, no antigo Tribus (que passou a se chamar Muvee Music Box), eles deram o primeiro beijo. Logo um mês depois, veio o pedido de namoro.
Juntos, Augusta e Lucas cresceram, amadureceram e dividiram sonhos. “Tínhamos o objetivo de comprar um terreno, concluir os estudos, construir uma casa para, depois, casar”, contam. O terreno foi comprado e, anos depois, Augusta se formou em Jornalismo e Lucas em Engenharia Civil. “Como a construção da casa levaria tempo, cogitamos a ideia de adiantarmos o casamento e, enquanto isso, vivermos casados em uma casa alugada”, fala Lucas. Mas esta era apenas uma possibilidade. Restando alguns meses para concluir seu mestrado, em novembro de 2016, Augusta foi surpreendida por Lucas com um pedido de casamento.
Enfim, depois de oito anos de uma relação de confiança, parceria e, acima de tudo, amizade, Lucas e Augusta estavam noivos.

As escolhas
Depois do primeiro “sim”, aparecem outras muitas escolhas. O casamento foi marcado para abril de 2017, o que resultou em apenas cinco meses de organização. Para eles, três coisas já eram certas: o casamento seria realizado no Espaço Itapoá, eternizado pelas lentes de Priscila Pohl, da Immaginato Fotografia e Comunicação, e a beleza ficaria por conta de Geva Martins e Jaqueline Martins, do salão de beleza G’CabeloArte – todos profissionais de Itapoá.
Organizada, em apenas uma semana de noivado, Augusta já havia pensado em todos os detalhes do grande dia. “Tenho, há anos, uma pasta de inspiração para casamento, onde salvo imagens da internet com as quais me identifico. Isso ajudou na tomada de decisões, pois já tinha clareza de cores, materiais, entre outras coisas que me agradavam”, conta. Felizmente, Augusta e Lucas sempre compartilharam dos mesmos gostos e estilos, o que facilitou ainda mais nas decisões finais.
Para eles, um dos pontos mais importantes foi a contratação da cerimonialista, já conhecida pelo casal, de Joinville-SC. De acordo com eles, essa profissional lhes deixou mais calmos e conduziu seu sonho com experiência. Já para flores e decoração, optaram por Kassia Cavalari, da Incanto Di Fiori, de Itapoá. “Ela soube captar todo nosso gosto e concretizar tudo de forma magnífica”, diz Augusta.
Outro ponto chave do casamento é a escolha do bufê. Fugindo do tradicionalismo, os noivos optaram por servirem pizza, o prato preferido de ambos. Para isso, contrataram uma equipe de pizzaiolos já especializados no ramo de eventos, também de Joinville.
Com exceção da cerimonialista, do bufê e do vestido de noiva, todos os demais serviços foram encontrados dentro do território itapoaense. “Buscamos priorizar os profissionais de Itapoá, pois há muita gente talentosa em nosso município”, fala Lucas. Além do espaço, cabelo e maquiagem, fotografia e decoração, em Itapoá, os noivos optaram por: Osmar Pedro Batista, responsável pelo som e iluminação; Grupo Gourmet, equipe de garçons e barmans; Erika Bauer, que produziu um chalkboard (quadro negro) personalizado de boas-vindas; DJ Danrley e Niva e Banda, responsáveis pela música; Restaurante do Alemão, que disponibilizou itens essenciais, como louças e freezers; A4 papelaria, responsável pela impressão de materiais gráficos, e Cátia Fehrmann, mãe de Augusta, e Jessica Speck, que confeitaram os docinhos da festa.
A única escolha que não foi feita em conjunto foi o vestido de noiva. Augusta conta que já tinha um modelo em mente e o mesmo deveria condizer com sua personalidade. Este momento não aconteceu de primeira, pois, nas lojas, a maioria dos vestidos de noiva encontrados eram os tradicionais modelos princesa. Por fim, Augusta encomendou o vestido de um estilista de Joinville. O resultado foi como desejava: um modelo branco e simples, de alças, com corte mais reto, com alguns detalhes aplicados na parte do busto. De acordo com Augusta, além de exclusivo e personalizado, o vestido feito pelo estilista saiu muito mais em conta que os demais vestidos encontrados nas lojas.
O ponto importante para todas as contratações são os orçamentos. O casal indica que sejam feitos vários orçamentos de cada serviço para conseguir avaliar o custo-benefício de cada fornecedor. “Dá muito trabalho, mas vale a pena”, afirma Augusta, que organizou o casamento na mesma época em que finalizava seu mestrado. Ela, que costumava passar os finais de semana na companhia dos livros, e Lucas, que costumava fazer trilhas em montanhas, otimizaram o tempo para que cada detalhe fosse planejado.

Os detalhes

Dizem que Deus mora nos detalhes e, se tratando de um casamento, sem dúvida, eles são a essência do casal: revelam o estilo e objetivo de quem está casando. Augusta e Lucas optaram por um casamento simples, com toques mais artesanais e fiéis às suas personalidades.
Para fazer com que os convidados soubessem o quanto são especiais, os noivos decidiram fazer tudo do seu jeitinho: de detalhe a detalhe. Os convites foram feitos por Augusta, e para cada convidado havia um pequeno texto, mencionando a importância da sua presença.
Muitos detalhes do casamento foram na prática “faça você mesmo”. Durante incansáveis finais de semana, a noiva Augusta, na companhia de sua mãe e sua irmã, confeccionou, além dos convites, os porta-guardanapos, com argolas e fios de sisal, as plaquinhas parar tirar foto, com frases divertidas, os números das mesas, que traziam algumas curiosidades da história do casal, e as lembrancinhas, que eram sementinhas de amor perfeito. Alguns móveis também foram emprestados ou adaptados para a decoração do ambiente. De acordo com Augusta e Lucas, com todos esses detalhes feitos por eles mesmos, foi possível economizar bastante, além do que, ficou com toque especial do casal.

Convidados
Mas, para um casamento, além dos noivos, são precisos padrinhos e convidados. E uma das partes mais difíceis para o casal foi a lista de convidados: “você quer chamar todo mundo, mas nem sempre o orçamento permite”. Para encaixar todas as pessoas em um espaço e orçamento, Augusta e Lucas usaram como critério amigos e familiares que fazem parte da sua história. Foram 180 pessoas convidadas, entre elas, 160 confirmaram presença.
Segundo o casal, o mapa de assentos também requer atenção, pois evita tumulto e assegura mais tranquilidade no decorrer da festa. “Organizar o mapa de assentos requer organização e toma um tempo significativo dos noivos. É necessário que os convidados confirmem presença com antecedência, e é importante conhece-los bem, para determinar quem senta ao lado de quem”, explica Lucas. A dica é que pessoas amigas, conhecidas e com afinidades em comum aproveitam mais a comemoração se estiverem juntas.
Junto com os convidados é preciso escolher os padrinhos. O casal optou por chamar seus irmãos e seus respectivos parceiros, e dois casais de amigos bem próximos, resultando em seis casais. A amiga que apresentou Lucas e Augusta há oito anos, foi escolhida como dama de honra.
Padrinhos, madrinhas e dama de honra escolhidos, todos participaram do ensaio do casamento. “No ensaio, nos emocionamos bastante e pudemos sentir que aquilo tudo era real”, diz Lucas.
A noiva criou um grupo no WhatsApp com as madrinhas e a dama de honra, para que pudessem trocar ideias e ajudá-la em cada decisão. “Algumas madrinhas estavam tão ansiosas e empenhadas quanto eu”, fala Augusta. Elas organizaram, inclusive, o chá de panela da noiva, apenas para mulheres. Foi um chá com flores, brincadeiras, quitutes e muita emoção, especialmente no momento em que transmitiram um vídeo com mensagens de amigos e familiares dos noivos. Já o noivo Lucas, comemorou o pré-casamento com um churrasco entre amigos.

O grande dia

Os profissionais Geva Martins e Jaqueline Martins, do salão de beleza
G’CabeloArte, produzindo a Augusta em seu “dia de noiva”.

O período que precedeu o casamento de Augusta e Lucas foi um frenesi de emoções. Duas semanas depois de ela defender seu mestrado e uma semana depois de os noivos passarem a morar juntos, chegou o tão esperado dia. Segundo eles, é muito difícil dormir no dia anterior, de tanta ansiedade. “Enquanto as horas do dia passam o frio na barriga aumenta”, afirmam.
Uma escolha que fez toda a diferença para a magia desse dia foi fechar o salão de beleza para o “dia da noiva”, na companhia da mãe, das irmãs, madrinhas e amigas de Augusta. O cabeleireiro e maquiador Geva Martins fala sobre esse trabalho: “Fazer o ‘dia da noiva’ da Augusta foi mais que especial, pois a conheço há algum tempo. Quanto à escolha do cabelo e maquiagem, ela já tinha em mente o que queria, e nossa equipe pode agregar com nossos conhecimentos. O resultado final ficou lindo, suave e delicado, sem perder a sua essência”.
Diferente dos casamentos tradicionais, o grande dia de Augusta e Lucas não foi uma cerimônia religiosa, mas uma celebração com a presença de um juiz de paz, algumas palavras da dama de honra e a bênção do avô da noiva, além de amigos e familiares. O casamento também não teve música clássica ou valsa, mas músicas da MPB (Música Popular Brasileira) que registram a história dos dois – inclusive, para a entrada deles. As alianças foram levadas junto da afilhada do casal, de apenas seis meses, em um carrinho de ninar, carregado pela daminha. Nos pés, a noiva não calçava um sapato de salto alto, mas rasteirinha. O bolo foi trocado pelas pizzas e docinhos, e o champanhe por cervejas e caipiras. Afinal, no grande dia, cada detalhe deveria sair com o jeitinho de, ninguém menos que, os protagonistas dessa história.
Na noite do casamento de Augusta e Lucas, todos se divertiram, inclusive, as crianças. As músicas, as caipiras, as flores, a maquiagem, a simpatia dos garçons: tudo rendeu elogios dos convidados. O casal conta que um pequeno detalhe ou outro não saiu como previsto, mas que, para eles, tudo saiu perfeito. “Em uma noite com tantos amigos e familiares vibrando a mesma atmosfera e desejando coisas tão boas a nós dois, é impossível não se emocionar e desejar parar o tempo”, contam os, enfim, casados.

Pós-casamento
O nervosismo aumenta na entrada dos noivos e a alegria explode no momento da festa, mas o casamento não termina quando o último convidado deixa o salão. Augusta e Lucas orientam sobre o pós-casamento: “Depois da festa, você precisa se reunir novamente com os fornecedores para ver se deu tudo certo, se nenhuma louça quebrou, se não esqueceram nada no salão, enfim, fazer uma prestação de contas. Além, é claro, de agradecer a todos pelo dia maravilhoso, pelo carinho e todo talento”.
Na semana seguinte ao casamento, Augusta e Lucas voltaram às suas rotinas, mas ainda têm planos de fazer uma viagem de lua de mel para conhecer os cânions do Rio Grande do Sul.
Para eles, nada como se programar com tempo, avaliar os orçamentos e planejar o dia dos sonhos de acordo com o bolso. “Passa muito rápido, mas, depois de tanta correria e parceria, dá até vontade de organizar tudo de novo”, afirmam Augusta e Lucas, que têm hoje, mais um de seus sonhos realizados.

 

Ana Beatriz Machado

Matéria publicada na Revista Giropop- Edição 52, maio de 2017

 

Anúncios