Arquivo da categoria: Notícias

Amorosas de Itapoá apoiam ações

Elas confeccionam almofadas em formato de coração para ajudar mulheres diagnosticadas com câncer de mama a terem mais conforto, promovem encontros nos Postos de Saúde da Família, oferecem carinho para que as pacientes sintam-se acolhidas e colocam o ‘câncer de mama’ cada vez mais em pauta no município.

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

amorosas
Amorosas de Itapoá, participam da Caminha Outubro Rosa.

História
Em 2009, Alvina Vieira recebeu o diagnóstico positivo de câncer de mama. Após a mastectomia (cirurgia de retirada da mama), um detalhe, em especial, chamou-lhe a atenção: “Quando realizei o tratamento, ganhei uma almofada em formato de coração, que me ajudou a apoiar o braço, aliviar as dores e a dormência do pós-cirúrgico, reduzir o inchaço linfático provocado pela cirurgia, diminuir a tensão nos ombros e, quando usada debaixo do cinto de segurança do carro, proteger de eventuais golpes”. Os anos passaram-se, Alvina foi curada e pôde devolver sua almofada para que outras pacientes fizessem uso da mesma. Mas aquele simples gesto a marcou para sempre.
Já em Itapoá, Alvina conheceu Marli Colin, Suely Magalhães, Maria Batista – mais conhecida como Ica, Sueli Carijo e outras tantas com quem fez amizade. “Ela contou-nos sua luta contra o câncer de mama e sugeriu que participássemos desse projeto das almofadas, que acontece em todo o Brasil, para ajudar mulheres diagnosticadas com câncer de mama em Itapoá. Sem pensarmos duas vezes, abraçamos a causa”, recorda Suely Magalhães.

DSC_0026

Um abraço de amor
Pesquisando, as amigas descobriram que as almofadas são confeccionadas com muito cuidado. “Para ser ergonômica, a almofada tem medidas certas e a quantidade de enchimento certo – por isso, é pesada em uma balança de precisão. A costura deve ser específica porque senão fica desconfortável”, explica Alvina. O tecido também deve ser 100% algodão e o enchimento recebe fibra antialérgica.

DSC_0164
O trabalho voluntário conta com a ajuda de cerca de 20 mulheres, em sua maioria, aposentadas e com aptidão para artesanato. Valores simbólicos, tecidos, fibras, brindes e outros materiais foram doados por empresas e comerciantes de Itapoá. Durante as reuniões semanais na casa de Suely Magalhães, o grupo de amigas, intitulado ‘Amorosas de Itapoá’, descobriu qual era o forte de cada uma e delegou funções: um pequeno grupo corta o tecido, enquanto outro preenche a almofada, outro costura, etc.
Tudo é muito organizado e planejado nos mínimos detalhes. As voluntárias também criaram embalagens e folhetos explicativos sobre o uso da almofada, que foi batizada de ‘Almofada do Amor’. Afinal, trata-se de algo muito além do material.
A luta contra o câncer não é fácil, mas as Almofadas do Amor podem amenizar a dor, oferecendo autoestima, força, amor e solidariedade – intenções que as Amorosas sempre mentalizam em cada doação. Com base em sua experiência com o câncer de mama, a amorosa Alvina fala: “Queremos que as mulheres que recebam nossos corações sejam felizes e tenham fé. Isso foi a melhor coisa para mim”.

amorosas2
Elas acreditam que o câncer de mama deve ser lembrado durante todo o ano, mas aproveitam o movimento de adesão mundial Outubro Rosa para apoiar uma série de ações no município de Itapoá, promovidas pela Secretaria Municipal de Saúde.

Doações
Desde maio de 2017, quando o grupo foi fundado, até o presente momento, as voluntárias confeccionaram 230 almofadas. Para realizar as doações, oferecer apoio e trocar experiências, as Amorosas atuam em parceria com a Secretaria de Saúde de Itapoá, e organizam, anualmente, rodas de conversa com mulheres que lutam contra o câncer de mama nas unidades do ESF (Estratégia Saúde da Família) de Itapoá.
Também, realizam arrecadação e doação de perucas, turbantes, lenços, gorros, chapéus e bonés – acessórios que fazem a diferença na vida de pacientes com câncer, e tornaram a confeccionar pequenas almofadas de coração preenchidas com pedrinhas, para simular a prática do autoexame da mama.
As doações também acontecem quando as voluntárias visitam outras cidades ou por intermédio de terceiros. As Almofadas do Amor, confeccionadas pelas Amorosas de Itapoá, já ajudaram pacientes de diferentes cidades, como Florianópolis-SC, Ponta Grossa-PR, Balneário Camboriú-SC e Londrina-PR. Nas palavras de Suely Magalhães: “é só nos indicar uma pessoa que está lutando contra o câncer de mama, que nosso abraço em formato de coração, a almofada, chega até ela”.

Deseja tornar-se uma voluntária, contribuir com doações de lenços, chapéus, tecidos ou outros materiais? Entre em contato com a amorosa Suely Magalhães através do WhatsApp 43 98406-8035. Ou, acesse a página “Amorosas de Itapoá”, no Facebook.

Anúncios

Aos 16 anos, jovem de Itapoá irá formar-se bailarina profissional

O balé clássico fascina o imaginário de muitas meninas. Mas, para Mariana Oss, de Itapoá-SC, a dança foi muito mais que uma fase.
Aos 16 anos de idade, Mariana conta com quatorze anos de experiência no balé e, em outubro de 2018, irá realizar seu grande sonho: formar-se no nível técnico, obter o registro profissional e, enfim, tornar-se uma professora de balé.

 

ALE_8140
Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

Mariana ainda estava na pré-escola, em Chapecó-SC, quando saía da sala de aula para observar as meninas mais velhas dançando balé. Certa vez, sua mãe conversou com a professora e a menina pôde, então, iniciar as aulas de balé na pré-escola – e nunca mais parou.
Ainda em Chapecó, Mariana estudou balé no SESC e na Ballare Escola de Dança (atual Vanessa Batistello Escola de Dança). “Quando iniciei no balé, achava tudo muito lindo, mas, antes mesmo de sonhar em tornar-me uma bailarina, sonhava em ser professora de balé clássico”, conta. Já residindo no município de Itapoá, fez aulas de balé no Laboratório Studio de Dança e, há aproximadamente três anos, treina no Coan Studio de Dança e Pilates.

DSC_0466 - copia
Ela conta que sempre teve como inspiração uma bailarina mais velha de sua antiga escola e sua ex-professora, Vanessa Batistello, que, mesmo à distância, lhe dá muito apoio: “Assim como Vanessa, cada um dos professores que fizeram e ainda fazem parte de minha formação são pessoas que me inspiram muito”, comenta. A experiência mais recente, no Coan Studio de Dança e Pilates, deixou Mariana a poucos passos de seu sonho.
O professor de balé do Coan Studio, Luiz Carlos dos Santos, discorre sobre a aluna: “Mariana já veio com cinco anos de trabalho pela escola cubana de sua cidade. Ela apresenta evoluções rápidas, muita agilidade, expressividade, grande evolução técnica dos movimentos do balé clássico e experiência na dança”.

ALE_7863
Recentemente, os alunos do Coan Studio de Dança e Pilates estiveram participando do XXIV Festival de Dança do MERCOSUL, na Argentina, onde Mariana conquistou três premiações:
duas em grupo e uma no DUO.

Ainda, Luiz explica que, para a aluna formar-se no nível técnico e obter o DRT (registro profissional tirado na Delegacia Regional do Trabalho, que significa que a bailarina estará apta a dar aulas), ela deverá ter em mãos seu currículo de bailaria (contendo TCC, anos de formação, apresentações e festivais dos quais participou) e ter dez anos de aulas de balé comprovados. Vale lembrar que a contagem dos anos de formação inicia-se a partir dos seis anos de idade, quando a bailarina aprende a estudar as técnicas.
Depois de estudar, ensaiar e subir ao palco muitas vezes, neste ano de 2018 Mariana irá realizar seu grande sonho de ser professora de balé. “Sou muito grata aos profissionais do Coan Studio, pois estes estão sempre dispostos a transmitir seus conhecimentos com muito amor, carinho e paciência. Estão, também, sempre se atualizando, pois o mundo da dança traz constantes novidades”, fala a jovem, “o DRT é, para mim, a representação de um sonho, de estar indo cada vez mais longe com meu conhecimento e minha dedicação”.

Nunca desistir
Conforme professor Luiz, uma bailarina precisa de muita dedicação para aprender os movimentos e seus respectivos nomes. “A teoria é aplicada durante o ensino de cada movimento, como executar de maneira correta e quais seus objetivos. Cada movimento tem uma intenção para o trabalho corporal, técnico e coreográfico”, explica.
O professor também frisa que o cuidado com a alimentação é necessário para a saúde corporal, e que a disciplina também é um fator importante, pois uma bailarina dedicada apresenta postura comportamental que compõe seu dia a dia em todas as atividades, na família, na escola e na sociedade.
Recentemente, os alunos do Coan Studio de Dança e Pilates estiveram participando do XXIV Festival de Dança do MERCOSUL, na Argentina, onde Mariana conquistou três premiações: duas em grupo e uma no DUO. Nas palavras de Luciana Coan, proprietária do Coan Studio: “Com ajuda da família, da equipe de profissionais e por conta de sua persistência e dedicação, Mariana vem a cada ano melhorando sua técnica no balé clássico. Hoje, é estagiária em nosso Studio e atua juntamente dos professores Thais Espindola (nas turmas de Baby Class) e Luiz Carlos dos Santos (nas turmas de Balé Iniciante). Além do balé, ela ainda pratica aulas de Jazz e aulas de pontas, sendo muito aplicada nos estudos e tendo todos os quesitos para ser uma bailarina de sucesso”.

ALE_6437

Aos 16 anos de idade e prestes a formar-se professora de balé, Mariana sonha em continuar participando de festivais, pois ama a sensação de subir ao palco. “Como o município de Itapoá é carente de um teatro, com estrutura adequada para apresentações, qualquer oportunidade de subir ao palco é rara e muito importante para mim”, fala. Sabendo da inspiração que tem para meninas mais novas, que também sonham em fazer carreira no balé, Mariana diz a elas que nunca desistam: “Como em qualquer atividade que você queira se dedicar, o caminho no balé não é fácil. É preciso ter paciência, determinação, procurar por fontes confiáveis e profissionais habilitados e, principalmente, sentir paixão pela dança”.

A bailarina Mariana Oss, do Coan Studio de Dança e Pilates, irá formar-se no dia 9 de novembro de 2018. A formatura acontecerá no Shopping Itapemar, em Itapoá-SC, durante o espetáculo de balé La Fille Mal Gardée, às 20h.
Para adquirir o convite do evento, basta entrar em contato com a equipe do Coan Studio (47 99902-5763 – Luciana Coan).
Para patrocinar ou apoiar a bailarina Mariana, contate sua mãe, Elenice, através do número: 47 98495-4806.

Projeto social promove conhecimento e cultura através da leitura

Em um momento de dor e angústia, a professora Mariza Aparecida de Souza Schiochet, de Joinville (SC), buscou forças para levar esperança onde não há. Assim, nasceu o projeto social “Ler é Viajar Sem Sair do Lugar”, que espalha caixas de leitura em instituições sociais, comunidades carentes e hospitais de Joinville e região.

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

Mariza conta que seus pais sempre foram envolvidos com atividades religiosas e, também, que os livros sempre fizeram parte de sua vida. Foi, inclusive, o amor aos livros e às crianças que levou Mariza a formar-se em Letras e fazer pós-graduação em “Gestão Escolar” e “Inclusão e Teoria em Libras”. “Sempre acreditei que as crianças são bons motivos para exercitarmos o convívio humano, uma vez que elas não têm preconceito. E, caso tenham, temos o dever de direcioná-las ao caminho para o bom convívio em sociedade”, comenta a professora.
Certas vez, enquanto Mariza levava sua mãe, diagnosticada com câncer, para o tratamento de quimioterapia, no Hospital Municipal São José, observou a ociosidade de pacientes e acompanhantes nos momentos de espera das consultas. Ela, então, encontrou a solução ideal em uma de suas paixões: os livros. No setor de Oncologia do hospital, disponibizou algumas obras literárias, a fim de entreter e enriquecer os pacientes e acompanhantes. Também, seus alunos levaram muita esperança e carinho aos pacientes do hospital escrevendo a eles cartinhas amorosas. A iniciativa deu tão certo que a apaixonada por leitura resolveu espalhar mais caixas em outros lugares. E foi assim que, há aproximadamente sete anos, nasceu o projeto “Ler é Viajar Sem Sair do Lugar”, da professora Mariza.

projetolivro8
As crianças do Espaço Criativo e Literário Júlio Emílio Braz vestiram a camisa (literalmente).

Ler é Viajar Sem Sair do Lugar
Com o objetivo de promover conhecimento e cultura através da leitura, o projeto (sem fins lucrativos) recebe as chamadas “Caixas de Leitura” do Movimento de Pessoas Melhores (www.pessoasmelhores.com) e tem apoio do Tio Cid, pub de um ex-aluno de Mariza, que sempre que possível realiza a compra do material solicitado.
“Tenho muitos anjos que, direta ou indiretamente, contribuem com o projeto. Sou muito grata a eles”, diz a professora. As Caixas de Leitura são especialmente decoradas por Mariza, com a ajuda de alunos e de seu marido. Então, as mesmas são abastecidas com livros doados por amigos, escritores, livrarias e simpatizantes do projeto. Entre os exemplares, estão romances, contos, gibis e histórias prazerosas que possam ser lidas em curto tempo. Em seguida, as caixas são espalhadas em instituições sociais, comunidades carentes e hospitais de Joinville e região.
De acordo com Mariza, a ideia é distribuir livros onde não há, especialmente nos bairros mais carentes, criar ambientes convidativos para despertar o interesse de crianças e, ainda, realizar contação de histórias. “Buscamos envolver cada vez mais leitores no universo prazeroso e lúdico da leitura e, assim, construir uma sociedade mais justa e humana, além de contribuir na formação de valores e cidadania”, acrescenta a idealizadora do projeto “Ler é Viajar Sem Sair do Lugar”.

projetolivro2
O IGP – Instituto Geral de Perícia também ganhou cantinho especial dedicado à leitura.

Depoimentos
Conforme Giane Costa, recepcionista do CENEF – Centro de Estudos e Orientação da Família, o projeto permite que aqueles que estão na sala de espera desfrutem de uma boa leitura. Ela ainda conta que aqueles mais absortos na leitura levam o exemplar para casa, a fim de ‘devorar’ o livro. Para Maria Eduarda, recepcionista do LABCenter – Laboratório de Análises Clínicas, o projeto é um bom incentivo para que as pessoas substituam os celulares por livros. “Muitos de nossos pacientes, que ficam em curva de lactose por duas horas a fio, aproveitam este tempo para ler”, fala Maria Eduarda.
Já no IGP (Instituto Geral de Perícia), uma pessoa pôde conhecer o projeto enquanto seu filho brincava no cantinho organizado com brinquedos e livros: “Atitudes como essa nos dão esperança de que o mundo pode ser melhor. Em uma Era Digital, onde muitos princípios estão se perdendo, é através do nosso exemplo que podemos ensinar nossas crianças que a leitura é, sim, muito importante”.

projetolivro3
Registro do Espaço Criativo e Literário Júlio Emílio Braz.

Poder transformador
O projeto, que nasceu da vontade de compartilhar com outras pessoas o poder transformador da leitura, acabou transformando a vida da própria idealizadora. Dentre tantas pessoas e histórias que lhe marcaram, Mariza fala sobre o “Espaço da Leitura”: “Certo dia, a convite de uma amiga, fui fazer uma contação de histórias em uma comunidade carente. Após a contação, veio o convite de colocar uma Caixa de Leitura ali. Relutei, pois o local era muito distante, não tínhamos apoio e gastaríamos com gasolina. Mas o apelo das crianças falou mais alto. A proprietária da casa, Miriam Padilha, conhece a realidade de cada uma daquelas crianças, que começaram a ler, emprestar e interessar-se por livros. Então, em sua garagem, iniciaram-se encontros semanais, com atividades lúdicas e de leitura. Sempre entusiasmada, Miriam foi recebendo cada vez mais crianças. Contudo, no inverno, o frio e a chuva atrapalhavam esses encontros. Portanto, eu e meu marido resolvemos unir nossas finanças para fechar uma parte da garagem. E o resultado foi uma alegria! O Espaço ficou muito aconchegante e uma vez ao mês levamos um escritor, um artista ou quem quer que possa contribuir com uma palavra de esperança, amor e cultura para as crianças da comunidade”.

projetolivro6
Pintura do artista plástico Luiz Arão, livros e uma brinquedoteca na delegacia que pode, também, ser um espaço cultural àqueles que estão na sala de espera.

Além das páginas e da sala de aula, Mariza adora caminhar e pedalar na boa companhia de seu marido, seus filhos e de Debby, sua cachorrinha – daí a logomarca do projeto, criada pelo artista plástico Humberto Soares.
O projeto “Ler é Viajar Sem Sair do Lugar” nasceu de um momento de sofrimento, mas a mãe de Mariza, felizmente, foi curada e, hoje, aos 90 anos de idade, ajuda a filha a carimbar os livros que serão dispostos nas Caixas de Leitura.
Por sua vez, professora Mariza, transformadora e transformada, conclui: “Costumo falar que passei do cálvario até a ressureição, pois aprendi a colocar-me na dor do outro. Cada dia naquele setor de Oncologia com minha mãe foi sinônimo de aprendizagem e enriquecimento. Ali, aprendi a aceitar, conviver e buscar sempre motivos para levar um pouco de esperança ao próximo, seja através de uma cartinha (que seus alunos escrevem até hoje para os pacientes diagnosticados com câncer), uma leitura ou um sorriso”.

projetolivro7
Além da leitura, Mariza, a idealizadora do projeto, adora caminhar e pedalar na boa companhia de seu marido, seus filhos e de Debby, sua cachorrinha.

Fique atento aos pontos de distribuição de livros do projeto “Ler é Viajar Sem Sair do Lugar”:
• Joinville (SC): Setor de Oncologia do Hospital Municipal São José; HEMOSC – Hemocentro de Santa Catarina; Casa Padre Pio; Hospital Regional Hans Dieter Schmidt; CENEF – Centro de Estudos e Orientação da Família; Mercado Municipal – voluntária Stella Maris de Carvalho; Maternidade Darcy Vargas; LABCenter – Laboratório de Análises Clínicas; Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso; IGP – Instituto Geral de Perícia; Casa de Acolhimento São Lázaro; Igreja Católica, no bairro Itinga – voluntária Cláudia Cidral; CIRETRAN Joinville; Espaço Criativo e Literário Júlio Emílio Braz.
• São Francisco do Sul (SC): Posto de Saúde, na Praia da Enseada – voluntária Cláudia Cidral.
• Piçarras (SC): RECREA – Atividades de Lazer e Esportivas.

Amigos, parceiros e amantes da leitura, entrem em contato com Mariza através do e-mail izaschiochet@gmail.com ou telefone (47) 99651-7701. Com a compra de uma camiseta do projeto “Ler é Viajar Sem Sair do Lugar”, no valor de R$ 30,00, você apoia essa iniciativa. Saiba mais em facebook.com/livroparatodos

 

Sustentável, arquitetura em container gera economia e versatilidade

 A estrutura metálica dos containers tem ganhado cada vez mais espaço e sai dos portos para as ruas. No município de Itapoá, a alternativa chama a atenção de empreendedores, que investem em uma estrutura flexível, sustentável e com visual de impacto.

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

01
A arquiteta Denise Zanelato construiu sua casa e seu escritório tendo como matéria-prima o container.

É o caso da arquiteta Denise Zanelato, que teve sua visão da arquitetura aprimorada constantemente através da sua paixão por pesquisas e cursos, e da observação em suas viagens pelo mundo. Ao projetar seu escritório e sua casa, localizados no mesmo terreno, ela priorizou praticidade, versatilidade, originalidade e, principalmente, economia. “Pensei em construir uma estrutura de container intercalando com outros materiais e, quanto mais pesquisava referências, mais me empolgava”, conta.

03

02
Em seu projeto, ela pintou os containers e intercalou vidro, madeira e paisagismo.

Em Itapoá, ela comprou um container cru de 12,20 m X 2,44 m X 2,89 de altura e, a partir daí, começou a “brincar” com seus formatos e outros materiais. O container foi recortado em duas partes: 4,20 metros foram destinados ao escritório de Denise, e 8 metros para a sua casa. Realiza a fundação, foram utilizadas brocas de 40 X 40. A arquiteta escolheu os pisos e, em seguida, foi colocada uma barra metálica para instalar os vidros das portas e janelas, e madeira para o deck e ampliação de uma área de lazer, coberta com telha Onduline. Por fim, a rede elétrica foi instalada pelo lado externo do container. A caixa da água foi colocada no ponto mais alto da cobertura e recebeu o forro de madeira para fechamento. No interior de seu escritório, ela optou por uma divisória de gesso acartonado revestida com tecido para o lavabo. Os containers também foram pintados (dentro e fora) por Denise com as cores branca e bordô.

Hoje, ela se diz satisfeita por ter projetado sua casa dentro de um container, uma vez que mora sozinha. “Também gosto da funcionalidade e do deslocamento em meu escritório, mas, se pudesse mudar alguma coisa, construiria o banheiro do lado de fora. Revestir todo o banheiro, e não parte dele, também é uma boa opção. A questão de encanamento também deve ser muito planejada, pois não é todo lugar que é possível cortar o container (nos cantos, por exemplo, não dá). A ideia, em alguns casos, é deixar a cuba para fora, diminuindo o tamanho do banheiro e, consequentemente o revestimento”, fala.

10

09
Maquete e planta de uma residência com container, desenvolvido por Denise.

Com base em sua experiência de construção, Denise afirma que o container é, sim, uma opção mais rápida, prática, sustentável e econômica, mas ressalta: “Ele será uma opção barata se for comprado e utilizado cru ou, então, se a pessoa investir em um modelo reefer (container térmico), que já contém o isolamento térmico em seu interior e é todo feito de aço inox ou alumínio, pois, neste caso, fica mais fácil de aplicar um acabamento”.

A arquitetura em container e o design diferenciado fazem com que o escritório e a casa de Denise atraiam a curiosidade de muitas pessoas. Recentemente, a arquiteta também vem elaborando diversos projetos tendo o container como matéria-prima. Para a profissional, o material é versátil, mas o sucesso da obra depende do planejamento. Procedência e um bom estudo de ambiente também são imprescindíveis para garantir a sustentabilidade e flexibilidade da construção.

08

06
Algumas maquetes de projetos realizados pela arquiteta para pessoas e empreendedores.

Inúmeras vantagens e utilidades

11
Em Itapoá, Samuel Peixe trabalha com venda, aluguel e reparo de containers. Junto de sua esposa Luciane Motta, ele abriu uma galeria de lojas feitas em containers no centro do município.

Em Itapoá, a empresa Reparsul presta serviços para terminais portuários, como reparos e manutenções de containers, além de vender, alugar e consertar containers para pessoas físicas. Samuel Peixe, proprietário da empresa, afirma que, cada vez mais, os itapoaenses estão em busca deste material para construir, especialmente para fins comerciais.

De acordo com o profissional, as principais vantagens de utilizar um container são: ter uma obra mais limpa, com redução de entulho e outros materiais; rapidez na execução; economia de recursos naturais, como areia, água, etc.; reutilização do material; imóvel com apelo moderno, graças à aparência e às possibilidades que o material oferece; flexibilidade, pois a construção pode ser desmontada e montada em outro terreno; baixo custo, uma vez que, se bem administrada, a construção com container pode ser até 35% mais barata do que a convencional; durabilidade, pois o material é projetado para resistir às diversas intempéries e suportar grandes cargas, entre outras.

7013c8d0-c933-49ca-aacb-67c13b656157

Ele explica sobre os tipos mais comuns de containers utilizados na construção: “o container marítimo ‘Dry’, feito de aço corten, muito resistente à corrosão, porém, sem isolamento; e o container reefer, utilizado para transportar carga congelada e resfriada, sendo mais visado para a construção de casas e projetos habitáveis, graças ao seu forte isolamento”. Versátil, este material pode se transformar em casa, escritório, estúdio, garagem, depósito, salas de aula de uma escola, abrigos de emergência, etc.

Na avenida André Rodrigues de Freitas, em Itapema do Norte, junto de sua esposa Luciane Motta, Samuel criou uma galeria de containers, todos coloridos, e cada um deles para um fim específico: loja de roupa infantil (que tem Luciane como proprietária), loja de acessórios, cafeteria, etc. Na galeria, os banheiros foram construídos no interior do container.

Vale ressaltar que construir uma residência ou um comércio com este material exige praticamente os mesmos padrões da construção civil, como projeto, entrada na prefeitura, alvará e afins. Outra dica de Samuel é: “procurar profissionais especializados para fazer o acabamento do seu container, pois muitos costumam fazer por conta própria e encontram problemas, já que os produtos utilizados devem ser específicos, como produtos de linhas marítimas e industriais”.

Muito comum na Europa, este tipo de moradia ou estabelecimento vem se popularizando no Brasil e chamando a atenção dos melhores arquitetos e dos clientes mais ousados. Durante a rotina de trabalho na loja da galeria, Luciane afirma que as pessoas demonstram bastante curiosidade pelo material: “é algo diferente, moderno e versátil, acredito que este material deixa qualquer proposta mais interessante”. Pode parecer loucura à primeira vista, mas aqueles imensos caixotes de aço utilizados para transportar e armazenar mercadorias podem ser a opção ideal para a sua moradia ou o seu negócio – a arquiteta Denise e o casal Luciane e Samuel que o digam.

Casal de “Harleyros” compartilha experiências na vida e na estrada

O Dia Nacional do Motociclista é comemorado em 27 de julho. A data celebra todos os que, seja profissionalmente ou por hobbie, pilotam motocicletas. Para comemorar, conhecemos a história do casal Mayara Marturelli e Osvaldo Carneiro Junior, de Itapoá. Eles são apaixonados por motocicletas, especialmente os modelos da marca Harley-Davidson, e nos falam que os motociclistas não apenas pilotam motos, mas também vivenciam o que é conhecido como “cultura da motocicleta”.

Ana Beatriz Machado Pereira da Costa

29062017-3
Casal Osvaldo Carneiro Junior e Mayara Marturelli, de Itapoá.

Naturais de Curitiba-PR, Mayara e Osvaldo sempre gostaram de motocicletas. Ela recorda que fazia trilhas com sua motocicleta do modelo XTZ 125, na época da adolescência, enquanto ele conta que tinha uma motocicleta esportiva do modelo Bandit 1200, mas que teve por pouco tempo, pois não era bem o seu estilo. Mayara e Osvaldo se conheceram em Itapoá, em 2006. Ele relembra: “Morávamos bem próximo um do outro, então, eu sempre a via andando de moto e achava muito bacana, especialmente por ser mulher”. Quando começaram a namorar, em 2009, os dois haviam vendido suas motocicletas e ficaram um bom tempo sem elas. Segundo Osvaldo, este foi um período difícil, pois ele sentia muita falta de pilotar.
Em 2013, já casados, eles foram a uma loja da Harley-Davidson e, por incentivo de Mayara, Osvaldo comprou uma motocicleta Harley-Davidson do modelo Fat Boy. “Sempre sonhei em ter uma moto da linha da Harley-Davidson, pois esta marca centenária se transformou em uma lenda do motociclismo e sinônimo de estilo de vida, personalidade, conforto e experiência”, conta Osvaldo. Porém, Mayara não o acompanhava nos passeios e viagens de motocicleta, pois tinha insegurança de andar na garupa, uma vez que sempre pilotou a sua própria motocicleta. “Quando viajávamos para participar de eventos, eu ia de motocicleta e, ela, de avião. Era um pouco chato, pois desejava ter minha parceira ao lado, na estrada, e, além disso, ela também sentia falta de pilotar. Então, dentro de um ano e meio, me senti na obrigação de presenteá-la com uma motocicleta”, fala Osvaldo.

29062017-2
Foi em São Paulo, em um evento da Harley-Davidson, que Mayara se apaixonou por um modelo que estava sendo lançado no evento, a Harley-Davidson Breakout Softail. “Gosto muito deste modelo, pois foi a minha primeira motocicleta de porte grande, é muito confortável e esbanja estilo”, diz Mayara. Recentemente, há cerca de um ano, devido às frequentes viagens a trabalho, Osvaldo trocou sua Fat Boy por um modelo mais confortável, uma Street Glide, também da marca Harley-Davidson.
Mayara e Osvaldo são bons exemplos de “Harlystas” ou “Harleyros” – como são chamados os motociclistas apaixonados por modelos da marca Harley-Davidson. Eles colecionam diversos objetos da marca, vão a eventos específicos da marca e, sempre que viajam a outros estados ou países, as lojas da Harley-Davidson são sinônimos de parada obrigatória. “Diferente do que muitos pensam, estes são ambientes tranquilos e frequentados por muitas famílias e pessoas de todas as idades. Nos eventos da Harley, há sempre bandas de rock, lojas, barbearias, concursos de Pinups, lançamentos de novos modelos de motocicletas, exposição de carros e motocicletas antigas, opções para personalizar a motocicleta, além de ações beneficentes, como a campanha do Outubro Rosa, para ajudar mulheres com câncer de mama, por exemplo”, conta Mayara.
No entanto, o foco do casal não são os eventos de motociclismo, mas as viagens realizadas, cada qual com sua Harley. “Na estrada, ficamos impressionados com o respeito que alguns caminhoneiros têm pelos motociclistas”, ressalta Mayara, que trabalha aos fins de semana, mas acompanha o amado nos passeios, sempre que possível. Para Osvaldo, ter uma mulher que goste tanto do universo do motociclismo quanto ele é sinônimo de realização: “depois que cada um passou a ter a sua própria motocicleta e realizar os passeios juntos, nossa relação se fortaleceu ainda mais”.

29062017-1
Para aqueles que desejam adquirir uma motocicleta da marca Harley-Davidson, Mayara e Osvaldo garantem que o investimento vale a pena, mas opinam: “a motocicleta tem de ser funcional, não adianta ter uma e não usá-la”. Ela se diz se diz satisfeita com a sua Breakout Softail, já ele, fala que não se vê pilotando outra motocicleta que não seja Harley Davidson.
Segundo o casal – que tem amigos motociclistas espalhados por Itapoá, Curitiba e por todo o mundo, o presente que este estilo de vida proporciona são as experiências e os amigos. “Hoje, além de andar de moto e gostar de Harley, encontramos outras afinidades que nos completam, como o gosto por viagens e o crescimento profissional”, conta o casal, que ainda planeja cruzar a famosa Rota 66, nos Estados Unidos da América – símbolo e sonho de motociclistas do mundo todo. Mas, o que existe por trás de todo esse amor pelo veículo automotor de duas rodas? Os “Harleyros” Mayara e Osvaldo explicam em poucas palavras: “pilotando uma motocicleta, o foco nunca é chegar ao destino, mas apreciar a jornada”.